DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros
03 / 03 / 2021

Dom Sergio Arthur Braschi

  Bispo

 

Cristo é a nossa paz e unidade

.

Dom Sergio Arthur Braschi
Divulgação

Depois da belíssima Campanha da Fraternidade de 2020 – com o Bom Samaritano que “viu, sentiu compaixão e cuidou dele” e o Anjo bom do Brasil, Santa Dulce dos pobres... – somos agora convidados a viver, pela quinta vez, uma Campanha da Fraternidade Ecumênica. 

Isto quer dizer que a Campanha não é assumida só pela nossa Igreja Católica, mas por outras Igrejas cristãs, como a Evangélica de confissão Luterana, a Anglicana, a Presbiteriana Unida, algumas da Aliança Batista e uma Igreja Ortodoxa. Assim, o livrinho do Texto-Base igualmente foi preparado por uma comissão destas várias denominações e, portanto, não reflete apenas o pensamento católico.

É importante lembrarmos isso, no momento em que aparecem algumas reações ao texto nas redes sociais... Não esqueça que o Texto- Base não é um Documento da Igreja. Para que serve, então?

Aí entramos no ponto mais importante. A Campanha da Fraternidade – não só neste ano... sempre – acontece na Quaresma, que é uma caminhada para a Páscoa, e tem profundo sentido BATISMAL. Quer dizer que caminhamos (não ficar parados, inertes) na direção de renovarmos nossa Aliança com Deus Pai-Filho-Espírito Santo, que foi selada no dia de nosso Batismo.

Uma Aliança de amor ao Pai, que – como ensina a atitude de Jesus que se entrega na Cruz e, Ressuscitado, envia o Espírito – exige também o AMOR AOS IRMÃOS E IRMÃS, a superação do ódio, violência, preconceitos e desunião. O tempo da Quaresma implica revermos como estão nossas atitudes. 

Por isso temos o Texto-Base que nos convida à reflexão e conversão. Cada ano a Igreja nos convida a isso: “Eis o tempo da conversão, eis o dia da salvação...”

Entendamos que a Campanha da Fraternidade não é o livrinho, é a minha conversão, a tua conversão. Chegarmos à Páscoa melhores, tendo feito uma revisão de vida sobre o belíssimo assunto deste ano – em chave ecumênica – sobre Fraternidade e Diálogo. Diálogo! 

Diálogo exige compromisso de Amor, de aceitação do outro – que é diferente, às vezes até de outra confissão religiosa, ou visão política da realidade. Precisamos aprender a dialogar, ser capazes de OUVIR A OPINIÃO DO OUTRO (A), que sempre tem algo a nos ensinar, completar nossa visão.

Infelizmente hoje, até nas redes sociais da internet, as pessoas se bloqueiam, não aceitam nem conversar, se fecham na própria ideologia ou mentalidade ... e acabou. Exatamente O CONTRÁRIO do que nos pede a CFE de 2021.

Mas o ser humano é assim... O único jeito de melhorar é quando aceita o encontro com Jesus Ressuscitado. 

O texto- Base nos ajuda, propondo a reflexão da caminhada dos discípulos para Emaús, 11 km de diálogo com o Desconhecido... e era Jesus, ali com eles! Então tudo muda: “Como sois insensatos e lentos de coração para crer...” e depois, “o coração que ardia pelo caminho enquanto Ele nos explicava as Escrituras” (Lc 24, 23.32).

Nesta “caminhada” quaresmal, a Campanha da Fraternidade deste ano nos propõe 4 Paradas: VER-JULGAR-AGIR-CELEBRAR. É o conhecido método para se fazer uma revisão de vida, tanto pessoal como comunitária.

Aqui na diocese de Ponta Grossa, todos os anos fazemos um encontro de Formação para as paróquias sobre a CF. Este ano, devido à pandemia, foram três noites de reflexão online. Quem acompanhou, gostou e aproveitou muito. Particularmente me empolgou a noite do JULGAR, em que tivemos uma “aula de diálogo cristão e ecumênico” com o Pastor Diego Bihel (da Luterana) e o nosso Pe. Joel Nalepa. Não quiseram falar separadamente, um depois do outro (como era proposto), mas dialogaram fraternalmente... Dois verdadeiros cristãos, discípulos de Jesus Ressussitado andando pelo caminho, trocando impressões e testemunhos e edificando a todos nós que acompanhávamos a formação.

Após as três noites de Formação, tivemos o “CELEBRAR”, que foi na quinta-feira após as Cinzas, no templo da Comunidade Luterana Bom Pastor. Reunimo-nos, católicos e luteranos representando todo o CONIC (conselho nacional de Igrejas Cristãs) e ouvimos juntos a Palavra, rezamos e cantamos, tudo transmitido por emissoras de rádio e TV e redes sociais.

     Como é bom os irmãos estarem juntos, buscando a Unidade que Cristo realiza, porque “Ele é a nossa Paz” (Ef 2,14). Este é o lema da CF ecumênica deste ano de 2021, em plena pandemia. Convido a todos os leitores a, não apenas aceitarem estas simples palavras do Bispo diocesano, mas a se engajarem neste “caminho de esperança e mudança de vida” que é a Quaresma, ajudados pela reflexão que nos propicia a Campanha da Fraternidade.

Desejo a todos uma abençoada Páscoa, que renove nossa Aliança batismal com a Trindade Santa, Pai- Filho e Espírito de Amor!

Dom Sergio Arthur Braschi, diocese de Ponta Grossa (PR). 






Navegue até a sua Paróquia



Cúria
Cúria
Imprensa
Clipping
Download