Destaques:
Pesquisar:  

Traços bibliográficos

Dom Sérgio Arthur Braschi nasceu em Curitiba, aos 03 de dezembro de 1948, segundo de sete filhos do casal Acyr Arthur e Maria Leopoldina Santanna Braschi. Batizado na Paróquia São Francisco de Paula, no dia 8 de dezembro, cresceu numa família cuja vida se alimentava na comunidade paroquial. Bem cedo apareceram sinais de vocação ao Sacerdócio no menino que ia, quase diariamente, rezar e treinar os dedos no piano da Igreja.

Cursou os primeiros anos do Primário no Grupo Escolar “19 de Dezembro”, ingressando a 17 de fevereiro de 1959, no recém-inaugurado Seminário Menor São José, Colônia Nova Orleans. Aí terminou o primeiro grau e cursou o segundo grau, de formação clássica.

Passando ao Seminário Maior Rainha dos Apóstolos, de 1967 a 1969 cursou Filosofia na Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Em setembro de 1969, partia para Roma, enviado à Cidade Eterna pelo saudoso D. Manuel da Silveira d´Elboux, a fim de cursar Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana. Por três anos, foi aluno do Colégio Pio-Brasileiro, emprestando a alegria do seu violão às festas da comunidade longe da Pátria. Nas férias de verão, amadureceu no trabalho braçal em terras da Alemanha, como servente-de-pedreiro e em fábrica de automóveis.

Conquistado o Bacharelado em teologia, voltou ao Brasil, iniciando um trabalho missionário no Nordeste – ainda seminarista – que se repetiria durante vários anos seguidos: já sacerdote, de 1973 a 1986, por 14 vezes passou férias nas Dioceses de Mossoró (RN) e Cajazeiras (PB), ajudando o amigo, Pe. Hamílcar, nas Paróquias e Capelas do sertão. Aí, além de dois títulos de Cidadão Honorário, recebeu a alcunha de “Padre Cantador”...

Ordenado sacerdote a 8 de julho de 1973 por Dom Pedro Fedalto, na mesma Paróquia onde fora batizado, crismado e fizera a Primeira Comunhão, teve a alegria de ser apresentado por seus pais e irmãos, Padrinhos de Batismo e de Crisma, e pelo padre que o batizara, Monsenhor Boleslau Falarz.

Primeiramente foi Vigário Paroquial na Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus (1973), chamado, em seguida, a longos anos de serviço às vocações sacerdotais: Diretor Espiritual e Professor do Seminário menor São José (1974-1978) e Diretor Arquidiocesano da Obra das Vocações, mais adiante Reitor do mesmo Seminário (1979-1981). Em 1982, lhe foi confiada a formação de alunos Filósofos e Teólogos de várias Dioceses, como Reitor do Seminário Maior “Rainha dos Apóstolos”, que completava seus 25 anos de existência: nesta ocasião, recebeu o título de Cônego. Foi, também, por alguns anos, Presidente da OSIB – Sul II (Organização dos Seminários no Paraná), bem como continuava a integrar, desde os primeiros anos de padre, a Equipe Regional de Canto Pastoral, animando com cursos várias Dioceses. Em 1985, compôs a Equipe de Coordenação do Curso para Formadores de Seminários em Bogotá, Colômbia. Até meados de 1986, como reitor, fez parte do Conselho Presbiteral, como também do Colégio de Consultores da Arquidiocese. Por longos anos (1980-1986), foi o celebrante oficial da missa dos domingos pela TV Paranaense Canal 12.

Em 1986 voltou ao Pontifício Colégio Pio Brasileiro – Roma, conseguindo seu Mestrado em Teologia Dogmática, com tese na área eclesiológica, na Pontifícia Universidade Gregoriana. Ao mesmo tempo, aprimorou os dotes musicais com o Curso de Música Religiosa na Scuola di Musica “Ludovico da Victoria”.

Quando preparava a tese de doutoramento, teve de voltar a Curitiba, passando a residir com sua Mãe, e assumindo como Pároco a Paróquia de São Judas Tadeu – Vila Hauer. De 1990 a 1996, construiu com os Paroquianos, não só o aconchegante Santuário, mas lecionava Eclesiologia no Studium Theologicum de Curitiba, assumindo, de 1993 a 1996, a Coordenação Pastoral da Periferia Sul. Nestes anos, voltou a integrar o Conselho Presbiteral, Equipe de Coordenação Pastoral, Colégio de Consultores, Grupo de Teólogos do Sínodo da Arquidiocese. Por cinco anos (1992-1996), foi Diretor Espiritual Arquidiocesano do Apostolado da Oração, cabendo-lhe celebrar os 100 anos do A.O. em terras do Paraná e Santa Catarina, bem como o primeiro Congresso Missionário Sul-Brasileiro do A.O. Em janeiro de 1997 foi chamado a ser Pároco da Catedral Basílica de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais.

Em 18 de fevereiro de 1998 foi nomeado Bispo Auxiliar de Curitiba pelo Santo Padre João Paulo II, e sagrado no dia 14 de abril de 1998 na igreja Catedral de Curitiba. Seu lema é “Vida, Doçura e Esperança”, baseado na oração da “Salve, Rainha”, onde a Virgem Maria é exaltada com essas palavras. No dia 16 de julho de 2003 foi nomeado Bispo Diocesano de Ponta Grossa, tomando posse da mesma no dia 05 de setembro de 2003.

 Brasão Episcopal

 

Descrição Heráldica
(Arte: Côn. Paulo Iubel – Curitiba, PR)

Escudo: modelo francês-moderno, com chefe em blau, contendo uma estrela de oito pontas em ouro. No campo central e em contra-chefe, em goles, uma flor-de-lis em prata, triangulada por três besantes em ouro.

Timbre: cruz episcopal simples, em prata.

Copyright © 2008. Diocese Ponta Grossa. Todos os direitos reservados.
Site melhor visualizado em resolução 1024x768 ou superior. Política de Privacidade.
KMM Engenharia de Sistemas