Destaques:
Pesquisar:  
 
PE. MARIO SPAKI
 
PE. MARIO SPAKI
Dados Pessoais:

Pais: Izidoro e Therezinha Spaki.

Nascimento: 14 de Dezembro de 1971, em Irati, PR.



Dados dos Estudos:

Primário e 1º. Grau – Escola Pública de Irati - Paraná.

2º Grau – Escola Pública de Irati - Paraná.


Dados da Formação Presbiteral:

  • Filosofia – IFITEME – Diocese de Ponta Grossa. 
 
  • Teologia - Faculdade Gregoriana - Roma -
  •  Especialização - Dogmática – Faculdade Gregoriana - Roma.

 Estudos recentes

  • - De 2002 a 2004 fez pós-graduação em aconselhamento (counseling) em Curitiba.
  • - De 2004 a 2006 fez pós-graduação em formação para presbíteros diocesanos em Belo Horizonte.
  • - Em 2007 a pós-graduação em Comunicação junto às Paulinas em São Paulo.

 Sua história de vida!

Sacerdote Focolarino.

E desde que entrou no seminário em 1991 até hoje vive a Espiritualidade da Unidade do Movimento dos Focolares, no qual dia 10 de junho de 2005 se consagrou Sacerdote Focolarino.

Quando criança e adolescente eu não havia pensado minimamente em ser padre. Nasci numa família católica, de seis irmãos, onde, desde que me conheço por gente, experimento entre todos um clima maravilhoso. Por isso, parecia-me natural me casar e formar uma família. Tive namoradas durante toda a adolescência, até poucos dias antes de ingressar no Seminário. Com 16 anos, junto com meus irmãos, compramos uma moto nova, bonita e grande. Parecia que agora eu tinha tudo e era pra arrebentar! De fato, quase que isso aconteceu por duas vezes que me escapei de acidentes que teriam sido fatais. A namorada, a moto e o carro - que tínhamos também -, me encantavam, contudo não conseguiam preencher as minhas aspirações mais profundas. Ao lado de uma moça que namorei mais tempo, lembro que me interrogava interiormente se eu seria capaz de passar a vida inteira junto daquela pessoa e dentro de mim ouvia a resposta: a vida inteira não! Tatava-se então de fazer novas opções que perdurassem toda a vida. Pedia a Deus, ajoelhado diante da Eucaristia, que me ajudasse a escolher bem a vocação. Reavivei dentro de mim a experiência vivida nas Santas Missões Saletinas que aconteceram em Irati no ano de 1987. Naquela ocasião eu havia experimentado um fascínio imenso pelas coisas de Deus. Com 19 anos completos deixei tudo: namorada, moto e carro e ingressei no seminário com um único desejo: colocar a minha vida como um todo e nos seus detalhes a serviço de Deus. Hoje, com imensa alegria posso afirmar: Esta foi a primeira escolha acertada que fiz na minha vida! Em 1991, ano que ingressei no Seminário, fui morar com o Pe. Sílvio Mocelin na Paróquia São Sebastião de Ponta Grossa. Não lembro muita coisa daquele ano a não ser que lemos a Bíblia toda, rezamos muito e a convivência foi fantástica. E isso foi 10! Em 1992 iniciei o triênio filosófico no Seminário São José. Anos de dedicação e entusiasmo. Dentro de mim era palpável a vontade de me tornar sacerdote. Em 1994 pedi ao então bispo da Diocese, Dom Murilo S.R.Krieger para fazer um período de aprofundamento na Espiritualidade da Unidade. Foi a segunda escolha acertada que fiz na minha vida! Dom Murilo elogiou o meu pedido e me enviou para a Itália no final daquele mesmo ano. Iniciei o ano de 2005 em Loppiano, cidadezinha dos Movimento dos Focolares, próximo de Florença. Lembro que foi um ano de LUZ! Inesquecível! Lá aprendi a colocar em prática e com seriedade a Palavra de Deus e isso começou a me transformar no mais profundo. Numa manhã fui apressadamente até o coordenador da Escola para assegurar-me se eu havia entendido bem, isto é, se Jesus está presente em cada irmão, então, no coração, eu deveria inclinar-me diante da cada pessoa, assim como faço diante de Jesus Eucaristia. E ele me afirmou: é isso mesmo! E pensar que eu nunca antes havia vivido realmente com consciência isso, mesmo tendo escutado centenas de vezes. O amor ao irmão, como Jesus pede, foi o que caracterizou aquele luminoso período. Uma noite do mês de maio de 1995, fui até a capela com o coração ardente. Esperei que todos saíssem, pois sempre gostei e gosto de falar com Jesus em voz alta. Jamais esquecerei que, naquela noite santa, estendi os braços à frente e como que tendo o coração por entre as mãos disse a Jesus que eu estava pronto a ir até a China... se Ele assim desejasse. E que eu estava totalmente aberto para fazer a sua vontade. Não lembro muito quanto tempo estive ali, só sei que entrei noite adentro.

Uma semana depois recebi um telefonema de Roma. Fizeram-me a proposta de permanecer na Itália estudando, habitando no Centro ut omnes, referência mundial para milhares de seminaristas diocesanos vinculados ao Movimento dos Focolares. Esta proposta foi tão grande que nem sequer os meus sonhos anteriores alcançavam tanto. A minha adesão foi imediata; também Dom Murilo, em seguida, concordou que eu permanecesse lá. Transferi-me para Roma, a 250 Km de Florença. Nova vida. Agora eu estudaria na Universidade n. 1 da Igreja: a Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, pupila do olho do Papa. E eu, até há pouco agricultor de interior de Iratí, estava agora inscrito lá no curso de teologia...A nova comunidade que me acolheu era formada por 7 integrantes, representantes de todos os continentes do mundo. Fui desde o primeiro dia designado para ser o ecônomo. Fiquei muito a vontade com o estilo de vida da comunidade numa comunhão intensa seja espiritual que material. No entanto, depois de alguns meses dei-me conta que eu não tinha possibilidade de depositar nada no caixa comum que sustentava as despesas de todos nós, e o custo de vida chegava a ser perto 500 dólares mensais para cada pessoa. No silêncio do coração isso foi me travando, apagando o meu sorriso e a liberdade de viver naquela comunidade. Uma noite, durante o jantar, não agüentei e abri para todos a minha preocupação: “Sinto-me mal por não poder ajudar e sem nenhuma perspectiva de solução, também por que estou distante 10.000 Km do Brasil, dos meus e de todos os conhecidos...”. Todos escutaram, compreenderam-me, no entanto, não sabiam nem o que dizer.No dia seguinte, de passagem, veio para jantar conosco o Cardeal Miloslav Vlk, arcebispo de Praga – Rep. Tcheca. O Hubertus, nosso padre reitor, pediu que eu contasse ao cardeal o que havia partilhado na noite anterior. Assim fiz. O cardeal escutou com carinho, porém, também não sabia o que fazer. Em seguida o Hubertus acrescentou: “Hoje pela manhã telefonou-me um senhor da Suíça e perguntou-me se conheço algum seminarista brasileiro que esteja precisando de ajuda. Respondi-lhe sim! Mora comigo”. Em síntese: Senhor Braun é o nome daquele homem suíço. Ele pagou todos os meus estudos durante seis anos. Não quis que eu o conhecesse para que eu não ficasse com o sentimento de dever para com ele. Aquela é uma outra noite que jamais esquecerei. Fui tomado por um profundo sentimento de louvor ao Pai do Céu, por experimentar como nunca antes, nitidamente, a sua mão providente, e é por isso que daquele momento em diante eu amo chamá-lo Paizão! Ele é Paizão mesmo!!! o decorrer daqueles anos, posso e quero afirmar que experimentei ao menos um pouco, na vida de comunidade, o que será o Paraíso. Teve e não podiam faltar também muitos momentos escuros. No entanto, se volto os olhos para aqueles anos só vejo LUZ. Eu estava esperando o ônibus para a Gregoriana. Aquela semana tinha sido bastante pesada, como acontece às vezes conosco, e naquela manhazinha o frio era intenso. O ônibus atrasava... estava escuro fora e dentro de mim. Aconteceu-me poucas vezes, mas naquela ocasião, devo confessar, comecei a “brigar” com Deus: é esta a vida que o Senhor dá para quem deixou tudo para segui-lo?”... A viagem de uma hora e meia até a universidade não passou disso. Já próximo da Gregoriana espontaneamente veio-me aos lábios a frase: “Se alguém quiser ser meu discípulo, tome a sua cruz e me siga” (Mc 8,34). Ah, não! Não quero lembrar esta frase. Tentei extinguir de mim, assim como se sacode a mão quando cai nela uma brasa, mas era inútil. Recolhi todas as forças dentro em mim e mais com a vontade que com o coração aderi àquelas palavras e ao que expressavam. “Senhor, por amor de Ti, topo a parada, mesmo que eu permaneça assim do jeito que estou”.
 
Chego na Gregoriana. Subo até os últimos degraus da sala de aula estilo teatro. Já acomodado, uma senhora que estudava teologia me chamou para perto dela. Fui e ela me disse: “Mário, não sei por que, mas quando você entrou na sala eu senti que era Jesus que entrava”. Voltei para o meu lugar chorando, e gritando dentro de mim “entendi!!!”: Quando sou fraco é que sou forte (2Cor 12,10); Se o grão de trigo que cai na terra não morre fica só, mas se morre produz muitos frutos (Jo 12,24); Fui crucificado junto com Cristo. Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gal 2, 19b-20). Dias depois encontrei nos corredores da Universidade o famoso professor de Bíblia, Ugo Vanni. Contei-lhe este fato e ele: “Esta é uma experiência mística. Prepare-se, pois, Deus vai pedir muita coisa de você”. Quando chegou o tempo de escrever a monografia para o término do Mestrado em Teologia Dogmática não tive dúvida, escrevi sobre a 1Cor 2,2: “Não conheço que Cristo e Cristo Crucificado”. Esta foi a terceira escolha acertada que fiz na minha vida! Nos anos 1996-1998 estudei na Gregoriana o triênio teológico e de 1999 a 2001 o triênio do Mestrado, com especificação em Cristologia. Em outubro de 2001, após 7 anos retornei definitivamente ao querido Brasil. (Pe. Mario Spaki)


MINISTÉRIOS RECEBIDOS:

MINISTÉRIOS

 
Leitorato: 1999, na Paróquia N.Sra.do Perpétuo Socorro, Irati - Paraná.
 
Acolitato: 1999, na Paróquia N.Sra.do Perpétuo Socorro, Irati - Paraná.
 
 
 ORDENAÇÃO
 
  • Diaconato: 02.02.2003 - Catedral Sant’Ana - Ponta Grossa - Bispo: Dom João Braz de Aviz.
 
  • Presbiterato: 03.08.2003 - Paróquia N. Sra. do Perpétuo Socorro/Ginásio de Esportes – Irati - Paraná.
             Bispo: Dom João Braz de Aviz.
 
 
                                                               

 

 

 



LEMA DE ORDENAÇÃO E VIDA PRESBITERAL:

"Sacerdote chamado a tornar-se coração de Deus em meio à humanidade"

ATIVIDADES PASTORAIS:

Desde 2002 integra a Coordenação Diocesana da Ação Evangelizadora.
Desde 2003 é coordenador Diocesano dos Pequenos Grupos.
Em 2004, auxiliado pela Equipe dos Pequenos Grupos, realizou a I Semana Diocesana dos Pequenos Grupos que teve um ótimo êxito, isto é, movimentou a inteira diocese de Ponta Grossa na promoção dos Pequenos Grupos. Em 2005 a mesma experiência foi repetida.
Desde 2003 além de muitas entrevistas na RPC (afiliada à Rede Globo) e outras TVs em nível regional e estadual gravou e editou o vídeo sobre a Espiritualidade dos Conselhos de Pastoral que foi difundido em toda a Diocese e o vídeo sobre as Diretrizes Pastorais juntamente com o Pe. Valdeslei Sviercoski, também de difusão na inteira Diocese.
Em 2005 foi eleito Coordenador Diocesano dos Presbíteros.
Em 2006 idealizou juntamente com o  Pe. Agostinho A. Rutkoski, Pe. Ademir da Guia Santos, Pe. Noé Borges Vieira e o C.D.A.E, a Ação Nossa Igreja Mãe que no período de 10 meses angariou fundos necessários para a conclusão das obras da Catedral Sant’Ana de Ponta Grossa.
Em 2005 editou o vídeo “Um Jeito Novo de Ser Igreja” dos Pequenos Grupos com difusão para além da Diocese de Ponta Grossa.
Em 2006 editou dois vídeos sobre a Ação Nossa Igreja Mãe, ambos enviados para as 640 comunidades da Diocese.
Em 2007 gravou e editou a Série Pequenos Grupos, 4 DVDs que são material de estudo e formação para os Pequenos Grupos.
Em abril de 2007 lançou o DVD 1 sobre a Ação Dobrar os Joelhos, Renovar a Vida. Este DVD foi presenteado para todas as 640 comunidades da Diocese.
2007/2008 – Assessor Diocesano das Santas Missões Populares.
Presidente da Comissão Regional dos Presbíteros do Paraná – Sul 2.
Secretario da Comissão Nacional dos Presbíteros do Brasil – 2008.
Reitor do Seminário São José – Filosofia.
Professor de Teologia Dogmática no IFITEME – Diocese de Ponta Grossa.  
2012 - Secretario Executivo da CNBB - Regional Sul 2 - Paraná. 
 
 
Publicações
Em 2004 organizou e publicou o livro sobre a Espiritualidade e Missão dos animadores dos Pequenos Grupos.
Em 2004 publicou na Revista Internacional Gen’s artigos sobre a Arte de Amar, sobre a Trindade e os Conselhos de Pastoral.
Em 2005 publicou, na mesma revista, um artigo sobre a Semana Diocesana dos Pequenos Grupos.
 

   

HOBBY:

Cozinhar Macarrão Italiano

CONTATO:

Pe. Mario Spaki
 
 mspaki@terra.com.br
 
Rua Saldanha Marinho, 1266 Centro - Curitiba - PR - Cx.Postal: 1515 - CEP:CEP: 80001-970 - (42)3224-7512.
Copyright © 2008. Diocese Ponta Grossa. Todos os direitos reservados.
Site melhor visualizado em resolução 1024x768 ou superior. Política de Privacidade.
KMM Engenharia de Sistemas