DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 22/11/2018

Cores da bandeira de PG remetem a Nossa Senhora

Neste dia 22, festeja-se o dia da bandeira da cidade

 
| Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

      Pouca gente sabe mas no dia 22 de novembro se comemora o Dia Bandeira de Ponta Grossa. A data oficial bem como as especificações de como seria o pavilhão constam do decreto 473/69, promulgado pelo prefeito Cyro Martins, em 21 de novembro de 1969. Nele, entre outras características, definiu-se que as cores azul e branca da bandeira foram assim escolhidas por serem as predominantes da Virgem Santíssima, “invocada pelo povo, através de Nossa Senhora da Vila Velha, mãe da Divina Graça, e da Senhora Sant`Ana, sua excelsa mãe, Padroeira de Ponta Grossa”.

      O aspecto da bandeira, registra o Decreto, corresponde a tradição “que emoldura o espírito do povo, tais como as duas pombas brancas que, conforme a lenda, escolheram o local onde se erigiu a primeira Igreja sob o orago Sant`Ana, hoje Catedral do Bispado, fazendo surgir, do então aglomerado de casas ao seu redor, a Cidade de Ponta Grossa”. Na verdade, a Igreja foi preponderante no surgimento do município. Carlos Alberto Chiquim, no livro ‘A CNBB no Paraná e a História da Evangelização’, destaca que, para ser elevado à Freguesia, o Bairro de Ponta Grossa precisava cumprir certas prerrogativas, entre elas, a distância dos recursos espirituais, a capela pavimentada e a fixação da côngrua ao pároco (renda recebida pelo padre para seu sustento).

      Até 1821, quando foi apresentado o pedido ao governo provincial de São Paulo, o vigário vinha de Castro  de vez em quando rezar missas e realizar casamentos e batizados, celebrações feitas provisoriamente em uma capela, a Casa da Telha, que, em 15 de setembro de 1823, com a elevação à Freguesia, foi escolhido um local no alto de uma colina, perto do Caminho das Tropas, para a construção de uma nova igreja, essa em homenagem à Senhora de Sant’Ana. Esta colina é onde hoje se encontra a Catedral, a igreja-mãe da Diocese que, em 2023, completa 200 anos.


  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Live atinge mais de 10 mil pessoas   |   Missa do Crisma será no feriado   |   Catedral faz festa pelos seus 197 anos   |   Missa online vai ‘conectar’ jovens   |  





Publicado em: 22/11/2018

Cores da bandeira de PG remetem a Nossa Senhora

Neste dia 22, festeja-se o dia da bandeira da cidade

 

      Pouca gente sabe mas no dia 22 de novembro se comemora o Dia Bandeira de Ponta Grossa. A data oficial bem como as especificações de como seria o pavilhão constam do decreto 473/69, promulgado pelo prefeito Cyro Martins, em 21 de novembro de 1969. Nele, entre outras características, definiu-se que as cores azul e branca da bandeira foram assim escolhidas por serem as predominantes da Virgem Santíssima, “invocada pelo povo, através de Nossa Senhora da Vila Velha, mãe da Divina Graça, e da Senhora Sant`Ana, sua excelsa mãe, Padroeira de Ponta Grossa”.

      O aspecto da bandeira, registra o Decreto, corresponde a tradição “que emoldura o espírito do povo, tais como as duas pombas brancas que, conforme a lenda, escolheram o local onde se erigiu a primeira Igreja sob o orago Sant`Ana, hoje Catedral do Bispado, fazendo surgir, do então aglomerado de casas ao seu redor, a Cidade de Ponta Grossa”. Na verdade, a Igreja foi preponderante no surgimento do município. Carlos Alberto Chiquim, no livro ‘A CNBB no Paraná e a História da Evangelização’, destaca que, para ser elevado à Freguesia, o Bairro de Ponta Grossa precisava cumprir certas prerrogativas, entre elas, a distância dos recursos espirituais, a capela pavimentada e a fixação da côngrua ao pároco (renda recebida pelo padre para seu sustento).

      Até 1821, quando foi apresentado o pedido ao governo provincial de São Paulo, o vigário vinha de Castro  de vez em quando rezar missas e realizar casamentos e batizados, celebrações feitas provisoriamente em uma capela, a Casa da Telha, que, em 15 de setembro de 1823, com a elevação à Freguesia, foi escolhido um local no alto de uma colina, perto do Caminho das Tropas, para a construção de uma nova igreja, essa em homenagem à Senhora de Sant’Ana. Esta colina é onde hoje se encontra a Catedral, a igreja-mãe da Diocese que, em 2023, completa 200 anos.


Diocede Ponta Grossa
  |   AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia