DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 20/06/2019

Seminário abre Semana do Migrante

‘Migração e Políticas Públicas’ é o tema deste ano

 
 No Seminário, no Espaço Cultural, a mala foi entregue No Seminário, no Espaço Cultural, a mala foi entregue | Crédito: Ana Andrade/Cáritas Diocesana de Ponta Grossa

      Ponta Grossa vive a 34 ͣ Semana do Migrante. Com o tema ‘Migração e Políticas Públicas: Acolher, Proteger, Promover, Integrar e Celebrar. A Luta é todo o dia’, a programação organizada pela Cáritas da Diocese de Ponta Grossa foi aberta no domingo (16) com a Roda de Conversa ‘Melhor que o pão é a sua partilha’, um debate sobre a situação dos migrantes e a necessidade do fortalecimento de políticas públicas  voltadas para esta população. Participaram haitianos, venezuelanos, integrantes da Cáritas, acadêmicos e professores da Universidade Estadual de Ponta Grossa, além de representantes da igreja presbiteriana. Todos puderam apreciar o brani, um arroz indiano com especiarias, preparado por Mohammed Mobin,  morador da cidade, atendido pela Cáritas.

      No programa da Semana do Migrante, que vai até o dia 23, na segunda-feira (17), três foram os convidados de um seminário sobre os eixos do trabalho da Cáritas Paraná: acolhida, proteção e integração do migrante. A postura vai ao encontro do preconizado pelo Papa Francisco, cujas palavras sempre foram de incentivo ao acolhimento, proteção, promoção e integração do migrante/refugiado. Rafael Machado, do setor de Relações Internacionais da Cáritas, falou sobre a inserção no mercado de trabalho do migrante que, como todo brasileiro, tem os direitos básicos garantidos; Angélica Furquim, advogada da Cáritas Paraná, detalhou as leis,  os termos ‘migrante’, ‘imigrante’ e ‘apátridas’ e das medidas de proteção que garantem a permanência deles no Brasil, e o haitiano Jean Woody contou um pouco de sua história, do choque cultural que enfrentou. Superou e hoje, estuda e tenta se profissionalizar.

      A representante da Organização Internacional para as Migrações (OIM/ONU), Merissa Farret,  trouxe números do fluxo migratório, explicou como funciona a OIM, as ferramentas que a entidade utiliza para acolher os migrantes e os diversos tipos de  atendimentos realizados. Merissa fez questão de ressaltar que não existe impacto negativo na migração, pelo pequeno número de migrantes no Brasil em relação a outros países.  “Os da Venezuela vieram por causa da crise política. Eles buscam sempre países em que tenham mais facilidade na fala. A migração não é ruim porque eles também contribuem com o desenvolvimento do lugar para onde vão, podem trazer coisas muito ricas,  uma diversidade muito grande. Só que ela (a migração) tem de ser bem administrada”, comentou.

      A recém-eleita presidente do Conselho estadual dos Direitos de Migrantes, Refugiados e Apátridas – que só existe no Paraná - e coordenadora da Pastoral do Migrante do Paraná, Márcia Ponce, dizia-se extremamente feliz e esperançosa. “É uma oportunidade de discutir como a acolhida está sendo feita, como avançou quanto política para migrantes e refugiados. A gente entende que passos como esses são extremamente importantes para construir o diálogo, as relações, criar comitês, grupos de acompanhamento, conselhos municipais para discutir a politica publica, que se efetiva no município e vem pela politica de assistência, que é a porta de entrada”, avaliou Márcia, citando que ainda há muita incompreensão com essa temática, muito desconhecimento por parte dos órgãos púbicos e instituições.

      No Seminário, foi entregue a mala da Campanha Compartilhe a Viagem aos representantes da Cáritas Curitiba. Da capital, a mala que chegou a Ponta Grossa no dia 12, vai para Brasilia. Na mala, estão sendo colocados vários objetos, cartas, lembranças que chegarão as mãos do Papa Francisco no final do ano. 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| ECC festeja seus 50 anos   |   Missa do Crisma reúne padres da diocese   |   Live atinge mais de 10 mil pessoas   |   Missa do Crisma será no feriado   |  





Publicado em: 20/06/2019

Seminário abre Semana do Migrante

‘Migração e Políticas Públicas’ é o tema deste ano

 

      Ponta Grossa vive a 34 ͣ Semana do Migrante. Com o tema ‘Migração e Políticas Públicas: Acolher, Proteger, Promover, Integrar e Celebrar. A Luta é todo o dia’, a programação organizada pela Cáritas da Diocese de Ponta Grossa foi aberta no domingo (16) com a Roda de Conversa ‘Melhor que o pão é a sua partilha’, um debate sobre a situação dos migrantes e a necessidade do fortalecimento de políticas públicas  voltadas para esta população. Participaram haitianos, venezuelanos, integrantes da Cáritas, acadêmicos e professores da Universidade Estadual de Ponta Grossa, além de representantes da igreja presbiteriana. Todos puderam apreciar o brani, um arroz indiano com especiarias, preparado por Mohammed Mobin,  morador da cidade, atendido pela Cáritas.

      No programa da Semana do Migrante, que vai até o dia 23, na segunda-feira (17), três foram os convidados de um seminário sobre os eixos do trabalho da Cáritas Paraná: acolhida, proteção e integração do migrante. A postura vai ao encontro do preconizado pelo Papa Francisco, cujas palavras sempre foram de incentivo ao acolhimento, proteção, promoção e integração do migrante/refugiado. Rafael Machado, do setor de Relações Internacionais da Cáritas, falou sobre a inserção no mercado de trabalho do migrante que, como todo brasileiro, tem os direitos básicos garantidos; Angélica Furquim, advogada da Cáritas Paraná, detalhou as leis,  os termos ‘migrante’, ‘imigrante’ e ‘apátridas’ e das medidas de proteção que garantem a permanência deles no Brasil, e o haitiano Jean Woody contou um pouco de sua história, do choque cultural que enfrentou. Superou e hoje, estuda e tenta se profissionalizar.

      A representante da Organização Internacional para as Migrações (OIM/ONU), Merissa Farret,  trouxe números do fluxo migratório, explicou como funciona a OIM, as ferramentas que a entidade utiliza para acolher os migrantes e os diversos tipos de  atendimentos realizados. Merissa fez questão de ressaltar que não existe impacto negativo na migração, pelo pequeno número de migrantes no Brasil em relação a outros países.  “Os da Venezuela vieram por causa da crise política. Eles buscam sempre países em que tenham mais facilidade na fala. A migração não é ruim porque eles também contribuem com o desenvolvimento do lugar para onde vão, podem trazer coisas muito ricas,  uma diversidade muito grande. Só que ela (a migração) tem de ser bem administrada”, comentou.

      A recém-eleita presidente do Conselho estadual dos Direitos de Migrantes, Refugiados e Apátridas – que só existe no Paraná - e coordenadora da Pastoral do Migrante do Paraná, Márcia Ponce, dizia-se extremamente feliz e esperançosa. “É uma oportunidade de discutir como a acolhida está sendo feita, como avançou quanto política para migrantes e refugiados. A gente entende que passos como esses são extremamente importantes para construir o diálogo, as relações, criar comitês, grupos de acompanhamento, conselhos municipais para discutir a politica publica, que se efetiva no município e vem pela politica de assistência, que é a porta de entrada”, avaliou Márcia, citando que ainda há muita incompreensão com essa temática, muito desconhecimento por parte dos órgãos púbicos e instituições.

      No Seminário, foi entregue a mala da Campanha Compartilhe a Viagem aos representantes da Cáritas Curitiba. Da capital, a mala que chegou a Ponta Grossa no dia 12, vai para Brasilia. Na mala, estão sendo colocados vários objetos, cartas, lembranças que chegarão as mãos do Papa Francisco no final do ano. 


Diocede Ponta Grossa
No Seminário, no Espaço Cultural, a mala foi entregue   |   Ana Andrade/Cáritas Diocesana de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O símbolo da Campanha Compartilhe a Viagem no Brasil é o Cristo de braços abertos   |   Ana Andrade/Cáritas Diocesana de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O haitiano Jean Woody contou um pouco de suas dificuldades   |   Ana Andrade/Cáritas Diocesana de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Merissa Farret trouxe números do fluxo migratório   |   Ana Andrade/Cáritas Diocesana de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia