DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 26/09/2019

Fala do bispo abre audiência conciliatória

Juiz suspende reintegração de posse em Castro

 
Bispo dom Sergio foi o primeiro a falar na audiência desta quarta-feira Bispo dom Sergio foi o primeiro a falar na audiência desta quarta-feira | Crédito: Rosângela Rigoni

      O bispo dom Sergio Arthur Braschi abriu a audiência desta quarta-feira (25) entre representantes das 150 famílias do Acampamento Maria Rosa, da Advogacia Geral da União, do Ministério Público, Cooperativa Castrolanda, Fundação ABC,  Sindicato Rural, Polícia Militar, advogados e o juiz o Antônio César Bochenek, do Tribunal Regional Federal da  4a Região. A área que fica dentro da Fazenda Capão do Cipó, em Castro, pertence a AGU e está ocupada pelos sem-terras desde setembro de 2015.  Em sua fala, dom Sergio mostrou sua preocupação com a saúde psicológica das famílias, a insegurança de não saber se vão ficar na terra, as crianças que estudam, enfim, com a integridade dos acampados.

      “A área pertence à União, ou seja, terra pública, onde, pela Constituição, a reforma agrária tem prioridade. A audiência de hoje não teria saído se o bispo não tivesse saído em defesa das famílias, da vida, das crianças, das mulheres, bem na linha da Doutrina Social da Igreja”, comenta a integrante do Conselho Fiscal da Cáritas, Rosângela Rigoni, que, ao lado de dom Sergio, acompanha a situação. Conforme Rosângela, há uns dois meses os moradores do Acampamento Maria Rosa receberam uma ordem judicial de reintegração de posse. “Depois disso, o bispo fez gestões em Brasília e aqui na região, tentando uma conciliação”, acrescenta, citando audiência dele com a  ministra da Agricultura, Tereza Cristina, dia 16 de julho.

      Nesta quarta-feira, o juiz acabou por suspender a reintegração de posse, marcando nova audiência para o dia 29 de outubro. “Para chegar a uma solução que garanta os direitos humanos das famílias acampadas. E a presença de dom Sergio foi fundamental, tanto das outras vezes quanto hoje”, enaltece Rosângela. Para o coordenador do Acampamento Maria Rosa, Célio Meira, a fala de dom Sergio deu o tom da negociação. “Estamos abertos às negociações. O trabalho do CTP (Centro de Treinamento Pecuarista) tem de ser respeitado, a vinda do Instituto (Federal) não atrapalha em nada o acampamento, e, caso, a Cooperativa (Castrolanda) queira manter a permuta das áreas em troca da Fazenda do Cipó, estão abertas as negociações. Queremos que todas as partes tenham suas demandas contempladas”, argumenta.

      Conforme Meira, a audiência foi acompanhada por mais de 50 trabalhadores sem-terra, tanto do Maria Rosa quanto do Acampamento Emiliano Zapata, de Ponta Grossa. O coordenador lembra que o Instituto Federal protocolou, há um ano, pedido de cessão de área para a construção de uma unidade no município mas que não estipulou em nenhum momento que o local fosse o do Acampamento Maria Rosa ou na Fazenda Capão do Cipó. “O juiz fez papel de mediador e, ao final, suspendeu a reintegração de posse por mais 60 dias. Dia 29 de outubro, teremos outra reunião com a AGU em Curitiba, só com as lideranças, para tirar proposta sólida para apresentar ao juiz. Ou seja, o magistrado acha que há  campo para negociar, espaço para avançar ou retroceder ambas as parte ou avançar juntas, encontrar um meio termo. Está sendo sensato para chegar a uma saída pacifica”.


  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Bispo abençoa presépio dos Arautos   |   Festa faz resgate histórico   |   Diocese envia missionários à Amazônia   |   “Viver a vocação como uma constante missão”   |  





Publicado em: 26/09/2019

Fala do bispo abre audiência conciliatória

Juiz suspende reintegração de posse em Castro

 

      O bispo dom Sergio Arthur Braschi abriu a audiência desta quarta-feira (25) entre representantes das 150 famílias do Acampamento Maria Rosa, da Advogacia Geral da União, do Ministério Público, Cooperativa Castrolanda, Fundação ABC,  Sindicato Rural, Polícia Militar, advogados e o juiz o Antônio César Bochenek, do Tribunal Regional Federal da  4a Região. A área que fica dentro da Fazenda Capão do Cipó, em Castro, pertence a AGU e está ocupada pelos sem-terras desde setembro de 2015.  Em sua fala, dom Sergio mostrou sua preocupação com a saúde psicológica das famílias, a insegurança de não saber se vão ficar na terra, as crianças que estudam, enfim, com a integridade dos acampados.

      “A área pertence à União, ou seja, terra pública, onde, pela Constituição, a reforma agrária tem prioridade. A audiência de hoje não teria saído se o bispo não tivesse saído em defesa das famílias, da vida, das crianças, das mulheres, bem na linha da Doutrina Social da Igreja”, comenta a integrante do Conselho Fiscal da Cáritas, Rosângela Rigoni, que, ao lado de dom Sergio, acompanha a situação. Conforme Rosângela, há uns dois meses os moradores do Acampamento Maria Rosa receberam uma ordem judicial de reintegração de posse. “Depois disso, o bispo fez gestões em Brasília e aqui na região, tentando uma conciliação”, acrescenta, citando audiência dele com a  ministra da Agricultura, Tereza Cristina, dia 16 de julho.

      Nesta quarta-feira, o juiz acabou por suspender a reintegração de posse, marcando nova audiência para o dia 29 de outubro. “Para chegar a uma solução que garanta os direitos humanos das famílias acampadas. E a presença de dom Sergio foi fundamental, tanto das outras vezes quanto hoje”, enaltece Rosângela. Para o coordenador do Acampamento Maria Rosa, Célio Meira, a fala de dom Sergio deu o tom da negociação. “Estamos abertos às negociações. O trabalho do CTP (Centro de Treinamento Pecuarista) tem de ser respeitado, a vinda do Instituto (Federal) não atrapalha em nada o acampamento, e, caso, a Cooperativa (Castrolanda) queira manter a permuta das áreas em troca da Fazenda do Cipó, estão abertas as negociações. Queremos que todas as partes tenham suas demandas contempladas”, argumenta.

      Conforme Meira, a audiência foi acompanhada por mais de 50 trabalhadores sem-terra, tanto do Maria Rosa quanto do Acampamento Emiliano Zapata, de Ponta Grossa. O coordenador lembra que o Instituto Federal protocolou, há um ano, pedido de cessão de área para a construção de uma unidade no município mas que não estipulou em nenhum momento que o local fosse o do Acampamento Maria Rosa ou na Fazenda Capão do Cipó. “O juiz fez papel de mediador e, ao final, suspendeu a reintegração de posse por mais 60 dias. Dia 29 de outubro, teremos outra reunião com a AGU em Curitiba, só com as lideranças, para tirar proposta sólida para apresentar ao juiz. Ou seja, o magistrado acha que há  campo para negociar, espaço para avançar ou retroceder ambas as parte ou avançar juntas, encontrar um meio termo. Está sendo sensato para chegar a uma saída pacifica”.


Diocede Ponta Grossa
Bispo dom Sergio foi o primeiro a falar na audiência desta quarta-feira   |   Rosângela Rigoni


Navegue até a sua Paróquia