DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 30/09/2019

47 são instituídos no Acolitato

Candidatos a diáconos vieram de 23 paróquias

 
O Acolitato é o último passo na formação de diáconos, antes da ordenação O Acolitato é o último passo na formação de diáconos, antes da ordenação | Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

      Passados seis meses da instituição do Ministério do Leitorato, neste domingo (29), na Catedral Sant’Ana, os 47 futuros diáconos da Escola Diaconal Santo Estevão foram instituídos no Ministério do Acolitato. A celebração, presidida pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi, representa o último passo em direção ao Sacramento da Ordem e, na prática, marca a aproximação do altar, já que, como leitor, o candidato a diácono proclama a Palavra, mas continua junto do povo. Como acólito, ele passa a auxiliar o padre ou o diácono permanente durante a Santa Missa, no presbitério.

      O coordenador da Escola Diaconal, padre Mário Dwulatka, lembra que os candidatos estão na reta final da preparação. “O Diaconato Permanente vai reforçar todos os demais agentes de pastoral, padres, leigos, religiosos, consagrados para atuar na nova prioridade da Diocese: Igreja e família, que quer seguir aqueles quatro pilares da ação evangelizadora”, afirma, comentando que a Escola Santo Estêvão é referência nacional não só pelo conteúdo e extensão de seus módulos, mas pela formação que é dada, “que prepara o homem para ser um ministro de fato, que vai realmente servir a comunidade, como Cristo veio para servir e dar sua vida”, acrescenta.

      Denilson José da Cruz, da Paróquia São Miguel, Comunidade São Pedro, do distrito do Guamirim, em Irati, conta que, depois de seis anos de seminário, percebeu que  sua vocação não era para ser padre. “Fui morar com minha família e, com o tempo, participando na comunidade, auxiliando, as pessoas viram em mim a possibilidade de estar mais atuante. O diácono Renato Marochi e do padre Athanagildo (Vaz Neto)  fizeram o convite e eu aceitei com alegria e percebi que os caminhos de Deus são diferentes dos que a gente traça para a nossa vida”, ressalta. 

      O candidato afirma que, durante todo o período da Escola, viu a mão de Deus conduzindo a cada um. “É uma alegria para mim poder estar ajudando e atuando. É um passo muito importante que estou dando hoje, tanto que pessoas da comunidade vieram para dizer ‘estamos junto com você’ e dar um incentivo. Me sinto muito feliz. É uma resposta que estou dando a esse chamado; estou caminhando para descobrir o que Deus verdadeiramente quer de mim”, complementa. A celebração deste domingo reuniu presbíteros e fieis de 23 paróquias da Diocese..

      Uma reunião nesta segunda-feira, às 19h30, no Centro Bíblico Regnum Dei, no Jardim América, em Ponta Grossa, discutirá os detalhes das celebrações de ordenação, que começarão a partir de fevereiro, logo depois do retiro canônico. Pelos dados da Comissão Nacional dos Diáconos, em 2011,  existiam no Brasil 2.787 diáconos e 92 escolas de formação. No Paraná, que tinha 567 diáconos e só ficava atrás de São Paulo (Regional Sul 1), com 1.174,  funcionam dez escolas.   


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Bispo abençoa presépio dos Arautos   |   Festa faz resgate histórico   |   Diocese envia missionários à Amazônia   |   “Viver a vocação como uma constante missão”   |  





Publicado em: 30/09/2019

47 são instituídos no Acolitato

Candidatos a diáconos vieram de 23 paróquias

 

      Passados seis meses da instituição do Ministério do Leitorato, neste domingo (29), na Catedral Sant’Ana, os 47 futuros diáconos da Escola Diaconal Santo Estevão foram instituídos no Ministério do Acolitato. A celebração, presidida pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi, representa o último passo em direção ao Sacramento da Ordem e, na prática, marca a aproximação do altar, já que, como leitor, o candidato a diácono proclama a Palavra, mas continua junto do povo. Como acólito, ele passa a auxiliar o padre ou o diácono permanente durante a Santa Missa, no presbitério.

      O coordenador da Escola Diaconal, padre Mário Dwulatka, lembra que os candidatos estão na reta final da preparação. “O Diaconato Permanente vai reforçar todos os demais agentes de pastoral, padres, leigos, religiosos, consagrados para atuar na nova prioridade da Diocese: Igreja e família, que quer seguir aqueles quatro pilares da ação evangelizadora”, afirma, comentando que a Escola Santo Estêvão é referência nacional não só pelo conteúdo e extensão de seus módulos, mas pela formação que é dada, “que prepara o homem para ser um ministro de fato, que vai realmente servir a comunidade, como Cristo veio para servir e dar sua vida”, acrescenta.

      Denilson José da Cruz, da Paróquia São Miguel, Comunidade São Pedro, do distrito do Guamirim, em Irati, conta que, depois de seis anos de seminário, percebeu que  sua vocação não era para ser padre. “Fui morar com minha família e, com o tempo, participando na comunidade, auxiliando, as pessoas viram em mim a possibilidade de estar mais atuante. O diácono Renato Marochi e do padre Athanagildo (Vaz Neto)  fizeram o convite e eu aceitei com alegria e percebi que os caminhos de Deus são diferentes dos que a gente traça para a nossa vida”, ressalta. 

      O candidato afirma que, durante todo o período da Escola, viu a mão de Deus conduzindo a cada um. “É uma alegria para mim poder estar ajudando e atuando. É um passo muito importante que estou dando hoje, tanto que pessoas da comunidade vieram para dizer ‘estamos junto com você’ e dar um incentivo. Me sinto muito feliz. É uma resposta que estou dando a esse chamado; estou caminhando para descobrir o que Deus verdadeiramente quer de mim”, complementa. A celebração deste domingo reuniu presbíteros e fieis de 23 paróquias da Diocese..

      Uma reunião nesta segunda-feira, às 19h30, no Centro Bíblico Regnum Dei, no Jardim América, em Ponta Grossa, discutirá os detalhes das celebrações de ordenação, que começarão a partir de fevereiro, logo depois do retiro canônico. Pelos dados da Comissão Nacional dos Diáconos, em 2011,  existiam no Brasil 2.787 diáconos e 92 escolas de formação. No Paraná, que tinha 567 diáconos e só ficava atrás de São Paulo (Regional Sul 1), com 1.174,  funcionam dez escolas.   


Diocede Ponta Grossa
O Acolitato é o último passo na formação de diáconos, antes da ordenação   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A celebração foi presidida pelo bispo dom Sergio   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Familiares e pessoas das comunidades dos futuros diáconos estavam presentes   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
O Ministério do Acolitato é o que aproxima o candidato a diácono do altar   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia