DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 04/01/2020

Chuva e lama desafiam missionários

Grupo visitou famílias no Ramal Tauaruã

 
O lamaçal é um dos desafios da missão O lamaçal é um dos desafios da missão | Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

      Em sua última saída a campo, os missionários da Diocese de Ponta Grossa passaram dois dias no Ramal Tauaruã, que fica a dez minutos da cidade de Lábrea, mas que, pelas condições das estradas, nesta época do ano, é uma região isolada. Atoleiros e a falta de acessos transformam a chegada às casas em uma verdadeira odisséia. O grupo visitou diversas famílias, acompanhando, inclusive, a celebração de Santa Missa na casa de uma delas, a de Rosa e Francisco das Chagas, onde ficaram alojados parte dos missionários. Os outros ficaram em outro extremo da localidade, na residência de Francisco Bezerra, o Déo,  coordenador da comunidade.

      Padre José Nilson Santos acompanhou o grupo, que chegava nas casas, conversava com a família, fazia a leitura orante da Palavra de Deus e rezava, abençoando a moradia. A grande maioria das pessoas estavam envolvidas com a ‘farinhada’, por isso, quase sempre, o atendimento aos missionários era feito na ‘casa da farinha’, onde pais, filhos e netos, descascavam a macaxeira, a lavavam  e a preparavam para ser prensada, coada e torrada. Em uma delas, o padre e os missionários até se arriscaram a descascar um pouco do produto, aproximando-se, literalmente, da realidade vivida pela família,

      Uma das poucas casas onde isso não aconteceu foi a de dona Maria Gomes, que estava com a filha Luzia e as netas Bianca e Diana, nos afazeres domésticos. Mesmo famílias evangélicas, como a de Maria das Dores, acolheram os missionários e rezaram com eles. O que mais chamou a atenção foi a dificuldade de chegar até os moradores. Onde não havia lamaçal e atoleiros, os acessos eram praticamente inexistentes, com estreitos caminhos criados em meio a mata. Devido à condição intransitável da estrada e à chuva, os missionários tiveram de recorrer ao rio para chegar nos diferentes pontos do Ramal.

      Uma missa, na Capela São Sebastião, seguida de um almoço comunitário encerraria a programação de visitas no Tauaruã.  


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Campanha da Fraternidade será ecumênica   |   Missa acolhe relíquia de São João Paulo II   |   Celebrações de crisma são restritas em Reserva   |   Coordenação nacional da Oficina de Oração   |  





Publicado em: 04/01/2020

Chuva e lama desafiam missionários

Grupo visitou famílias no Ramal Tauaruã

 

      Em sua última saída a campo, os missionários da Diocese de Ponta Grossa passaram dois dias no Ramal Tauaruã, que fica a dez minutos da cidade de Lábrea, mas que, pelas condições das estradas, nesta época do ano, é uma região isolada. Atoleiros e a falta de acessos transformam a chegada às casas em uma verdadeira odisséia. O grupo visitou diversas famílias, acompanhando, inclusive, a celebração de Santa Missa na casa de uma delas, a de Rosa e Francisco das Chagas, onde ficaram alojados parte dos missionários. Os outros ficaram em outro extremo da localidade, na residência de Francisco Bezerra, o Déo,  coordenador da comunidade.

      Padre José Nilson Santos acompanhou o grupo, que chegava nas casas, conversava com a família, fazia a leitura orante da Palavra de Deus e rezava, abençoando a moradia. A grande maioria das pessoas estavam envolvidas com a ‘farinhada’, por isso, quase sempre, o atendimento aos missionários era feito na ‘casa da farinha’, onde pais, filhos e netos, descascavam a macaxeira, a lavavam  e a preparavam para ser prensada, coada e torrada. Em uma delas, o padre e os missionários até se arriscaram a descascar um pouco do produto, aproximando-se, literalmente, da realidade vivida pela família,

      Uma das poucas casas onde isso não aconteceu foi a de dona Maria Gomes, que estava com a filha Luzia e as netas Bianca e Diana, nos afazeres domésticos. Mesmo famílias evangélicas, como a de Maria das Dores, acolheram os missionários e rezaram com eles. O que mais chamou a atenção foi a dificuldade de chegar até os moradores. Onde não havia lamaçal e atoleiros, os acessos eram praticamente inexistentes, com estreitos caminhos criados em meio a mata. Devido à condição intransitável da estrada e à chuva, os missionários tiveram de recorrer ao rio para chegar nos diferentes pontos do Ramal.

      Uma missa, na Capela São Sebastião, seguida de um almoço comunitário encerraria a programação de visitas no Tauaruã.  


Diocede Ponta Grossa
O lamaçal é um dos desafios da missão   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Os missionários foram recebidos com fogos de artifício e música de boas-vindas   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
As casas são distantes uma das outras, na localidade   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Pelo rio, a dificuldade maior é subir as encostas para chegar ás casas   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Os missionários se aculturaram e foram descascar mandioca com o povo   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
A família de Rosa e Chagas: hospitalidade   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia