DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 26/09/2020

Diocese ganhará relíquias de São João Paulo II

Castro e Irati receberão os despojos. Vinda foi oficializada hoje

 
Dom Mieczyslaw Mokrzycki, arcebispo da cidade polonesa de Lviv, entrega as relíquias para o padre Rafael Dom Mieczyslaw Mokrzycki, arcebispo da cidade polonesa de Lviv, entrega as relíquias para o padre Rafael | Crédito: Acervo Pessoal

      Três relíquias de São João Paulo II serão enviadas da Polônia para a Diocese de Ponta Grossa. O padre Cristiano Marcos Rodrigues, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Castro, responsável por todo processo da vinda dos despojos, recebeu a confirmação do envio na manhã desta sexta-feira (25). O padre jesuíta Rafael Sztejka já está com as relíquias e se organiza, agora, junto as Nunciaturas da Polônia, Roma e dp Brasil para o translado. As relíquias ficarão nas paróquias Nossa Senhora do Perpétuo Socorro; São Miguel, em Irati, e São José, em São Paulo, atendida pela Congregação de Sion.

      “Elas ainda não saíram da Polônia. O arcebispo responsável pelas relíquias pediu que a vinda seja feita não por transportadora, por se tratar de coisas bastante delicadas. E como estarmos vivendo um tempo de pandemia, prefiro não falar em datas para não criar expectativa. Mas, entre outubro e novembro devem estar chegando. Padre Tiago (Rangel Cardoso, da Congregação de Sion) está verificando o que é que nos será enviado. Uma amiga dele, Kinga Senczyk, é a responsável pela transferência e translação ao Brasil. Normalmente, é uma relíquia da batina do papa, a que ele estava vestindo quando levou o tiro, e tem sangue. E, talvez, um fio de cabelo. Por isso são consideradas de primeiro grau”, explica padre Cristiano.

      A Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo completou 15 anos no dia 6 de setembro. Entre as suas 16 comunidades, a São Sebastião, no interior, é formada por descendentes de poloneses, origem de São João Paulo II. Depois da missa em ação de graças pelo aniversário da paróquia, celebrada pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi, foi anunciada a possibilidade da vinda das relíquias, que serão colocadas no espaço do altar da nova matriz, ao lado do nome dos entes falecidos das famílias, pedaços de tijolos e terra das residências dos paroquianos, pedras do Mar Morto e espinhos, trazidos de Jerusalém. “Símbolos importantes que serão lacrados onde será erigido o altar”, detalha o padre.

      De acordo com padre Cristiano, a paróquia está se organizando para a chegada das relíquias, com um momento solene. A intenção é que tudo esteja pronto até 22 de outubro, o dia de São João Paulo II.


Irati

     Em Irati, a vinda das relíquias está sendo considerada um fato histórico para a comunidade católica, formada em grande parte pela etnia polonesa. A Paróquia São Miguel está preparando uma programação especial, com carreata, santa missa campal e visitação nas comunidades do território paroquial. No dia 22 de outubro, a relíquia será colocada oficialmente na Igreja Matriz.

     A paróquia conta com celebrações e atividades religiosas na língua dos imigrantes. Segundo o pároco, padre Luiz Carlos Mirkoski, é realizada uma hora de oração em polonês todos os meses, missa na festa de Pentecostes e há um coral polonês.  Além disso, a paróquia ostenta um quadro de Nossa Senhora de Monte Claro, que foi presente do papa para Irati.

     João Paulo II teve o terceiro maior pontificado da história da Igreja, iniciado em 16 de outubro de 1978 e que terminou em 2 de abril de 2005, com sua morte. Foram 26 anos. O papa esteve quatro vezes no Brasil onde visitou várias cidades e reuniu multidões. Após confirmações de milagres por sua intercessão, foi canonizado santo em 2014, pelo Papa Francisco.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Blog vai reunir histórias ligadas a Catedral   |   Decretos flexibilizam regras nas igrejas   |   Tecnologia deverá marcar DNJ 2020   |   Devotos testemunham sua fé em carreata   |  





Publicado em: 26/09/2020

Diocese ganhará relíquias de São João Paulo II

Castro e Irati receberão os despojos. Vinda foi oficializada hoje

 

      Três relíquias de São João Paulo II serão enviadas da Polônia para a Diocese de Ponta Grossa. O padre Cristiano Marcos Rodrigues, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Castro, responsável por todo processo da vinda dos despojos, recebeu a confirmação do envio na manhã desta sexta-feira (25). O padre jesuíta Rafael Sztejka já está com as relíquias e se organiza, agora, junto as Nunciaturas da Polônia, Roma e dp Brasil para o translado. As relíquias ficarão nas paróquias Nossa Senhora do Perpétuo Socorro; São Miguel, em Irati, e São José, em São Paulo, atendida pela Congregação de Sion.

      “Elas ainda não saíram da Polônia. O arcebispo responsável pelas relíquias pediu que a vinda seja feita não por transportadora, por se tratar de coisas bastante delicadas. E como estarmos vivendo um tempo de pandemia, prefiro não falar em datas para não criar expectativa. Mas, entre outubro e novembro devem estar chegando. Padre Tiago (Rangel Cardoso, da Congregação de Sion) está verificando o que é que nos será enviado. Uma amiga dele, Kinga Senczyk, é a responsável pela transferência e translação ao Brasil. Normalmente, é uma relíquia da batina do papa, a que ele estava vestindo quando levou o tiro, e tem sangue. E, talvez, um fio de cabelo. Por isso são consideradas de primeiro grau”, explica padre Cristiano.

      A Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo completou 15 anos no dia 6 de setembro. Entre as suas 16 comunidades, a São Sebastião, no interior, é formada por descendentes de poloneses, origem de São João Paulo II. Depois da missa em ação de graças pelo aniversário da paróquia, celebrada pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi, foi anunciada a possibilidade da vinda das relíquias, que serão colocadas no espaço do altar da nova matriz, ao lado do nome dos entes falecidos das famílias, pedaços de tijolos e terra das residências dos paroquianos, pedras do Mar Morto e espinhos, trazidos de Jerusalém. “Símbolos importantes que serão lacrados onde será erigido o altar”, detalha o padre.

      De acordo com padre Cristiano, a paróquia está se organizando para a chegada das relíquias, com um momento solene. A intenção é que tudo esteja pronto até 22 de outubro, o dia de São João Paulo II.


Irati

     Em Irati, a vinda das relíquias está sendo considerada um fato histórico para a comunidade católica, formada em grande parte pela etnia polonesa. A Paróquia São Miguel está preparando uma programação especial, com carreata, santa missa campal e visitação nas comunidades do território paroquial. No dia 22 de outubro, a relíquia será colocada oficialmente na Igreja Matriz.

     A paróquia conta com celebrações e atividades religiosas na língua dos imigrantes. Segundo o pároco, padre Luiz Carlos Mirkoski, é realizada uma hora de oração em polonês todos os meses, missa na festa de Pentecostes e há um coral polonês.  Além disso, a paróquia ostenta um quadro de Nossa Senhora de Monte Claro, que foi presente do papa para Irati.

     João Paulo II teve o terceiro maior pontificado da história da Igreja, iniciado em 16 de outubro de 1978 e que terminou em 2 de abril de 2005, com sua morte. Foram 26 anos. O papa esteve quatro vezes no Brasil onde visitou várias cidades e reuniu multidões. Após confirmações de milagres por sua intercessão, foi canonizado santo em 2014, pelo Papa Francisco.


Diocede Ponta Grossa
Dom Mieczyslaw Mokrzycki, arcebispo da cidade polonesa de Lviv, entrega as relíquias para o padre Rafael   |   Acervo Pessoal

Diocede Ponta Grossa
O local onde será colocado a relíquia, no espaço do altar da nova matriz   |   Acervo Pessoal


Navegue até a sua Paróquia