DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 09/11/2020

Dom Peruzzo acompanha velório de Gabriela

Garota tinha recebido primeira comunhão do arcebispo

 
Dom Peruzzo veio acompanhado das religiosas responsáveis pelo Hospital Pequeno Príncipe Dom Peruzzo veio acompanhado das religiosas responsáveis pelo Hospital Pequeno Príncipe | Crédito: Divulgação

     Gabriela Romanoski de Andrade que estava internada no Hospital Infantil Pequeno Príncipe, em Curitiba, aguardando a doação de um coração para transplante, faleceu às 22h58 deste domingo (8). Gabriela ficou conhecida no Brasil inteiro por ter pedido para receber dentro do hospital a Primeira Eucaristia e a Crisma, que era um sonho da menina. A celebração foi realizada no último dia 25 pelo arcebispo de Curitiba, dom José Antônio Peruzzo. Na tarde desta segunda-feira, dom Peruzzo esteve em Ponta Grossa, cidade natal de Gabriela, para o velório. O enterro aconteceu às 16 horas no Cemitério Parque Campos Gerais.

      Gabriela tinha dez anos e estava internada desde o início de outubro. Em maio, ela foi diagnosticada com miocardiopatia, doença que causa alterações no músculo cardíaco e impede o coração de funcionar corretamente. Dom Peruzzo, além de dar a primeira comunhão à garota, concedeu-lhe o Sacramento da Crisma, sendo ele próprio o padrinho dela. “Eu gosto muito de atender a esses casos, não casos de dor, mas me alegra muito dar sentido a minha própria vida ministerial poder amparar famílias, pessoas em situações de tristeza e angústia. Como o risco era bastante sério e os pais desejavam e a pequena pediu, me apresentei, então, também para a Crisma e pedi para ser o padrinho, além do bispo. Os pais se comoveram, a menina também e aceitaram logo”, comentou o arcebispo.

     A partir daquele primeiro encontro, dom Peruzzo contou que se afeiçoou muito à família e eles a ele. “E agora, infelizmente, não foi encontrado um coração. Gabriela mesmo dizia que, se para ela viver, outra criança tivesse que morrer, ela não queria. Dizer isso aos dez anos de idade mostra um grau de maturidade, de compreensão. Vim participar com os pais desse momento difícil para prestar solidariedade a eles. A mãe (dela) catequista, eu encarregado da Catequese no Brasil. Era necessário mostrar apreço da Igreja a quem serve muito a Igreja”, acrescentou. Dom José Antonio Peruzzo é presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

         A Irmã Lurdes Nogueira, Apóstola do Sagrado Coração de Jesus, é enfermeira do Centro Cirúrgico do Hospital Infantil Pequeno Príncipe e atua na Pastoral de Espiritualidade, onde acompanha famílias e pacientes. “Gabriela deixa um grande legado não só ao hospital, mas a todos que acompanharam os últimos dias no hospital como enferma. Ela foi plena, serena o tempo todo. A gente chegava no leito da Gabriela, mesmo ela sofrendo por falta de ar, esboçava um sorriso. Eu perguntava: vamos fazer uma oração? Ela dizia: vamos! Mesmo entubada, ela movia os lábios rezando a oração do Pai Nosso e o canto a Nossa Senhora. Ela chegou a relatar para a mãe, na sexta-feira, após ser entubada que sentia que Nossa Senhora estava do lado dela. Os médicos e enfermeiros que se aproximavam de seu leito, saíam diferente, com um semblante de paz, de tranquilidade, ternura. Não tenho dúvida que ela será intercessora no céu pelas crianças doentes e pelos profissionais de saúde”, enfatizava a religiosa.

     O primo de Gabriela, Zaqueu Luiz Bobato, de Imbituva, lembrava como a menina era extremamente sensível. “Sempre falava com os pais que ela era diferente, calma, reservada; eu sentia uma espiritualidade nela. Muito bonito ver a presença da Igreja hoje aqui no velório. Dom Peruzzo vindo de Curitiba me emocionou. Temos muita riqueza na nossa Igreja Católica e essa é uma das maiores: se fazer presente, de uma forma carinhosa, muito meiga. A mensagem que fica para nós cristãos é a fé, o amor e a esperança na ressurreição”, 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Campanha da Fraternidade será ecumênica   |   Missa acolhe relíquia de São João Paulo II   |   Celebrações de crisma são restritas em Reserva   |   Coordenação nacional da Oficina de Oração   |  





Publicado em: 09/11/2020

Dom Peruzzo acompanha velório de Gabriela

Garota tinha recebido primeira comunhão do arcebispo

 

     Gabriela Romanoski de Andrade que estava internada no Hospital Infantil Pequeno Príncipe, em Curitiba, aguardando a doação de um coração para transplante, faleceu às 22h58 deste domingo (8). Gabriela ficou conhecida no Brasil inteiro por ter pedido para receber dentro do hospital a Primeira Eucaristia e a Crisma, que era um sonho da menina. A celebração foi realizada no último dia 25 pelo arcebispo de Curitiba, dom José Antônio Peruzzo. Na tarde desta segunda-feira, dom Peruzzo esteve em Ponta Grossa, cidade natal de Gabriela, para o velório. O enterro aconteceu às 16 horas no Cemitério Parque Campos Gerais.

      Gabriela tinha dez anos e estava internada desde o início de outubro. Em maio, ela foi diagnosticada com miocardiopatia, doença que causa alterações no músculo cardíaco e impede o coração de funcionar corretamente. Dom Peruzzo, além de dar a primeira comunhão à garota, concedeu-lhe o Sacramento da Crisma, sendo ele próprio o padrinho dela. “Eu gosto muito de atender a esses casos, não casos de dor, mas me alegra muito dar sentido a minha própria vida ministerial poder amparar famílias, pessoas em situações de tristeza e angústia. Como o risco era bastante sério e os pais desejavam e a pequena pediu, me apresentei, então, também para a Crisma e pedi para ser o padrinho, além do bispo. Os pais se comoveram, a menina também e aceitaram logo”, comentou o arcebispo.

     A partir daquele primeiro encontro, dom Peruzzo contou que se afeiçoou muito à família e eles a ele. “E agora, infelizmente, não foi encontrado um coração. Gabriela mesmo dizia que, se para ela viver, outra criança tivesse que morrer, ela não queria. Dizer isso aos dez anos de idade mostra um grau de maturidade, de compreensão. Vim participar com os pais desse momento difícil para prestar solidariedade a eles. A mãe (dela) catequista, eu encarregado da Catequese no Brasil. Era necessário mostrar apreço da Igreja a quem serve muito a Igreja”, acrescentou. Dom José Antonio Peruzzo é presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

         A Irmã Lurdes Nogueira, Apóstola do Sagrado Coração de Jesus, é enfermeira do Centro Cirúrgico do Hospital Infantil Pequeno Príncipe e atua na Pastoral de Espiritualidade, onde acompanha famílias e pacientes. “Gabriela deixa um grande legado não só ao hospital, mas a todos que acompanharam os últimos dias no hospital como enferma. Ela foi plena, serena o tempo todo. A gente chegava no leito da Gabriela, mesmo ela sofrendo por falta de ar, esboçava um sorriso. Eu perguntava: vamos fazer uma oração? Ela dizia: vamos! Mesmo entubada, ela movia os lábios rezando a oração do Pai Nosso e o canto a Nossa Senhora. Ela chegou a relatar para a mãe, na sexta-feira, após ser entubada que sentia que Nossa Senhora estava do lado dela. Os médicos e enfermeiros que se aproximavam de seu leito, saíam diferente, com um semblante de paz, de tranquilidade, ternura. Não tenho dúvida que ela será intercessora no céu pelas crianças doentes e pelos profissionais de saúde”, enfatizava a religiosa.

     O primo de Gabriela, Zaqueu Luiz Bobato, de Imbituva, lembrava como a menina era extremamente sensível. “Sempre falava com os pais que ela era diferente, calma, reservada; eu sentia uma espiritualidade nela. Muito bonito ver a presença da Igreja hoje aqui no velório. Dom Peruzzo vindo de Curitiba me emocionou. Temos muita riqueza na nossa Igreja Católica e essa é uma das maiores: se fazer presente, de uma forma carinhosa, muito meiga. A mensagem que fica para nós cristãos é a fé, o amor e a esperança na ressurreição”, 


Diocede Ponta Grossa
Dom Peruzzo veio acompanhado das religiosas responsáveis pelo Hospital Pequeno Príncipe   |   Divulgação

Diocede Ponta Grossa
O arcebispo Dom Peruzzo acompanhou o velório da pequena Gabriela   |   Divulgação


Navegue até a sua Paróquia