DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA

       
SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 30/05/2018

Corpus Christi - Tapetes lembrarão atuação do cristão leigo

Fotografias serão usadas na ornamentação deste ano

No ano passado, a procissão levou perto de 50 mil pessoas às ruas da cidade No ano passado, a procissão levou perto de 50 mil pessoas às ruas da cidade | Crédito: Divulgação

      A procissão que marca a solenidade de Corpus Christi na Diocese de Ponta Grossa terá uma característica diferente este ano. Os tapetes serão enfeitados também com fotografias de trabalhos pastorais e de leigos em seus ambientes de trabalho: no escritório, na fábrica, dando aula. A ideia é mostrar o cristão leigo na sociedade, onde é chamado a ser sal da terra e luz do mundo, como preconiza o Ano do Laicato, uma das dimensões do tema que norteará a procissão em 2018, ‘Eucaristia, vocação e missão. Vida, Esperança e salvação’.

      De acordo com o coordenador da procissão, padre Wagner Oliveira da Silva, nas imagens colocadas no tapete pretende-se mostrar o leigo em seu ambiente de trabalho, “porque é lá que ele vive com profundidade a sua vocação. E as fotografias nos recordarão a dimensão vocacional do tema deste ano”, destaca, citando a sintonia igualmente com a ação evangelizadora Em Cada Comunidade, Uma Nova Vocação, que surgiu no Regional Sul 2, mas está se estendendo por todo o Brasil, pedindo oração pelas vocações. “Durante o trajeto da procissão, em muitos momentos, rezaremos diretamente nessa intenção”, acrescenta o padre. “Ainda a Campanha da Fraternidade, Fraternidade e Superação da Violência, buscando viver a cultura de paz, a vivência profunda das coisas de Deus, e, o momento missionário que a Diocese está vivendo que diz respeito a renovação paroquial e a comunidade samaritana”.

      Como gesto concreto, este ano os fiéis estão sendo incentivados a doar alimentos não perecíveis, que serão destinados aos Vicentinos e às comunidades de vida e aliança “para auxiliá-los no trabalho de evangelização, uma vez que vivem da providência, mas também para que esses alimentos cheguem as pessoas que são atendidas por algumas dessas comunidades, que têm trabalho de resgate de rua”, explica o coordenador da procissão. Ao longo do 3,5 quilômetros do trajeto haverá cinco postos de coleta, onde as pessoas poderão deixar as doações. “Preferencialmente, pedimos que depositem antes do início da procissão porque, assim que ela passar, imediatamente, os alimentos serão levados ao Asilo São Vicente de Paulo onde ficarão guardados até o dia da distribuição. Minha esperança é que haja tanto alimento a ponto de precisarmos distribuir para outras paróquias que tenham o trabalho de assistência da Pastoral Social”, comenta padre Wagner. O sacerdote acredita na generosidade do povo de Deus. “A procissão se torna mais profunda quando há o gesto concreto de doar-se pelo outro. Isso é comunhão, é isso significa Eucaristia: o pão que alimenta e que dá vida”, enfatiza. A distribuição dos alimentos arrecadados ocorre no sábado (2).

      Com a crise dos combustíveis está se pedindo que as pessoas se esforcem, no sentido não só de mobilizar proprietários de caminhonetes e caminhões para o transporte dos materiais como também na utilização de artigos diferenciados. “Que se faça de modo mias simples. Para Jesus o que importa é a disposição do coração de oferecer o melhor pelo Senhor. Cada paróquia sabe das suas possibilidades e dentro das possibilidades que se faça o melhor possiível”, orienta padre Wagner.

      A procissão de Corpus Christi acontece nesta quinta-feira (31), saindo da frente do Asilo São Vicente de Paulo, às 14h30, passando pela Balduíno Taques, descendo a Avenida Vicente Machado e terminando em um altar montado ao lado do Complexo Ambiental Governador Manoel Ribas, na Benjamin Constant.


Agasalhos

      Durante o Cerco de Jericó, realizada durante sete semanas na Paróquia São José, em Ponta Grossa, foram arrecadadas mais de duas mil peças, entre agasalhos, roupas, cobertores e calçados. Uma boa parte do total obtido foi para a Comunidade Deus Pai, que trabalha com moradores de rua. Cobertores, especialmente. “Deus é providente. Logo depois de encerrado o Cerco, começou o período mais forte do frio e muitas pessoas foram agraciadas com as peças. Peças muito boas, cobertores novos”, agradece o padre.

      No último dia do Cerco mais de mil pessoas participaram da celebração. Foi a primeira vez que ele foi realizado na paróquia, fundada há 82 anos. O encantamento foi tanto que a proposta é que aconteça todo o ano, durante as sete semanas do Tempo Pascal.   


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Freis Missionários completam 45 anos na Diocese | Ponta Grossa recebe líderes da Juventude Missionária | Diocese sedia encontro regional da Ação Evangelizadora | Reunião do Condae avalia a renovação paroquial |





Publicado em: 30/05/2018

Corpus Christi - Tapetes lembrarão atuação do cristão leigo

Fotografias serão usadas na ornamentação deste ano

      A procissão que marca a solenidade de Corpus Christi na Diocese de Ponta Grossa terá uma característica diferente este ano. Os tapetes serão enfeitados também com fotografias de trabalhos pastorais e de leigos em seus ambientes de trabalho: no escritório, na fábrica, dando aula. A ideia é mostrar o cristão leigo na sociedade, onde é chamado a ser sal da terra e luz do mundo, como preconiza o Ano do Laicato, uma das dimensões do tema que norteará a procissão em 2018, ‘Eucaristia, vocação e missão. Vida, Esperança e salvação’.

      De acordo com o coordenador da procissão, padre Wagner Oliveira da Silva, nas imagens colocadas no tapete pretende-se mostrar o leigo em seu ambiente de trabalho, “porque é lá que ele vive com profundidade a sua vocação. E as fotografias nos recordarão a dimensão vocacional do tema deste ano”, destaca, citando a sintonia igualmente com a ação evangelizadora Em Cada Comunidade, Uma Nova Vocação, que surgiu no Regional Sul 2, mas está se estendendo por todo o Brasil, pedindo oração pelas vocações. “Durante o trajeto da procissão, em muitos momentos, rezaremos diretamente nessa intenção”, acrescenta o padre. “Ainda a Campanha da Fraternidade, Fraternidade e Superação da Violência, buscando viver a cultura de paz, a vivência profunda das coisas de Deus, e, o momento missionário que a Diocese está vivendo que diz respeito a renovação paroquial e a comunidade samaritana”.

      Como gesto concreto, este ano os fiéis estão sendo incentivados a doar alimentos não perecíveis, que serão destinados aos Vicentinos e às comunidades de vida e aliança “para auxiliá-los no trabalho de evangelização, uma vez que vivem da providência, mas também para que esses alimentos cheguem as pessoas que são atendidas por algumas dessas comunidades, que têm trabalho de resgate de rua”, explica o coordenador da procissão. Ao longo do 3,5 quilômetros do trajeto haverá cinco postos de coleta, onde as pessoas poderão deixar as doações. “Preferencialmente, pedimos que depositem antes do início da procissão porque, assim que ela passar, imediatamente, os alimentos serão levados ao Asilo São Vicente de Paulo onde ficarão guardados até o dia da distribuição. Minha esperança é que haja tanto alimento a ponto de precisarmos distribuir para outras paróquias que tenham o trabalho de assistência da Pastoral Social”, comenta padre Wagner. O sacerdote acredita na generosidade do povo de Deus. “A procissão se torna mais profunda quando há o gesto concreto de doar-se pelo outro. Isso é comunhão, é isso significa Eucaristia: o pão que alimenta e que dá vida”, enfatiza. A distribuição dos alimentos arrecadados ocorre no sábado (2).

      Com a crise dos combustíveis está se pedindo que as pessoas se esforcem, no sentido não só de mobilizar proprietários de caminhonetes e caminhões para o transporte dos materiais como também na utilização de artigos diferenciados. “Que se faça de modo mias simples. Para Jesus o que importa é a disposição do coração de oferecer o melhor pelo Senhor. Cada paróquia sabe das suas possibilidades e dentro das possibilidades que se faça o melhor possiível”, orienta padre Wagner.

      A procissão de Corpus Christi acontece nesta quinta-feira (31), saindo da frente do Asilo São Vicente de Paulo, às 14h30, passando pela Balduíno Taques, descendo a Avenida Vicente Machado e terminando em um altar montado ao lado do Complexo Ambiental Governador Manoel Ribas, na Benjamin Constant.


Agasalhos

      Durante o Cerco de Jericó, realizada durante sete semanas na Paróquia São José, em Ponta Grossa, foram arrecadadas mais de duas mil peças, entre agasalhos, roupas, cobertores e calçados. Uma boa parte do total obtido foi para a Comunidade Deus Pai, que trabalha com moradores de rua. Cobertores, especialmente. “Deus é providente. Logo depois de encerrado o Cerco, começou o período mais forte do frio e muitas pessoas foram agraciadas com as peças. Peças muito boas, cobertores novos”, agradece o padre.

      No último dia do Cerco mais de mil pessoas participaram da celebração. Foi a primeira vez que ele foi realizado na paróquia, fundada há 82 anos. O encantamento foi tanto que a proposta é que aconteça todo o ano, durante as sete semanas do Tempo Pascal.   


Diocede Ponta Grossa
No ano passado, a procissão levou perto de 50 mil pessoas às ruas da cidade   |   Divulgação

Diocede Ponta Grossa
No ano passado, a procissão levou perto de 50 mil pessoas às ruas da cidade   |   Divulgação


Navegue até a sua Paróquia



Cúria
Cúria
Imprensa
Clipping
Download