DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 01/09/2021

Lideranças se mobilizam para Assembleia Pastoral

Paróquia da Amazônia fez primeiro encontro

 
O primeiro encontro paroquial preparatório aconteceu dia 21 O primeiro encontro paroquial preparatório aconteceu dia 21 | Crédito: Paróquia São João Batista/Canutama, Prelazia de Lábrea

A XIV Assembleia Pastoral da Prelazia de Lábrea, no Amazonas, vai acontecer em 2023 na Paróquia Santa Rita, em Tapauá. Todas as paróquias iniciaram já o processo preparatório para a assembleia. A intenção é que sejam realizados dois encontros paroquiais a cada ano, até janeiro de 2023. A Paróquia São João Batista, em Canutama, administrada pelos padres da Diocese de Ponta Grossa, Osvaldo Pinheiro e José Nilson Santos, reuniu suas lideranças em um primeiro momento, congregando integrantes dos conselhos de comunidade da cidade e do interior. Além dos dois sacerdotes, o coordenador da assembleia, frei Luís Antonio Fernandez Aguado, também participou.


     “Nesse encontro paroquial, no dia 21, vieram todas as lideranças dos conselhos de comunidade da cidade. Do interior, não vieram todos porque não são todas que têm conselho estruturado, mas conseguimos trazer alguns líderes de algumas comunidades”, comenta padre Nilson, citando que existe uma equipe articuladora paroquial, que está organizando o trabalho na base. A intenção é tratar dois assuntos importantes: o Sínodo da Amazônia, quais são as luzes que trouxe para a região, partindo das comunidades, sobre o que refletiu, em que ele ajuda, quais os novos caminhos em que é preciso avançar enquanto Igreja Particular. “Olhando a vida; não só a mata, a cultura, os povos... e, ao mesmo tempo, a missão da Igreja diante daquilo que ameaça a vida”, argumenta o vigário. O primeiro tema da assembleia é justamente esse: ‘Vida e Missão na querida Amazônia’


     O segundo aspecto é a Catequese. “Como a Igreja da Amazônia está tratando os discípulos missionários. A missão é evangelizar. Neste momento, como está esse ‘formar discípulos’, não só crianças, mas adultos. O desafio de formar discípulos maduros, formar pessoas convictas de sua fé, de sua missão, de seu lugar na Igreja. Como elaborar um plano prelatício para a Catequese, seja de crianças, jovens e adultos. Como falar, ter um material que leve a Prelazia a trabalhar em conjunto, em uma mesma direção. No momento, se encontra muita dificuldade. Não há plano de pastoral voltado para a Catequese. Todas as paróquias têm a Catequese de cunho Catecumenal, mas precisam falar uma mesma linguagem; ter um início e um fim, um itinerário”, acrescenta padre Nilson.


     Conforme o padre, desde que chegaram as propostas na paróquia, os sacerdotes têm se reunido com agentes de pastorais, movimentos e foi formada a equipe paroquial, com representantes da cidade, dos quatro esteios da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil: Palavra, Eucaristia, Caridade e Missão, além de representantes dos ribeirinhos e das aldeias indígenas. “Se debruçaram sobre os documentos, trazem questionamentos, tudo para iluminar a realidade e o agir. A própria base das paróquias, as lideranças, estão se preparando para a assembleia e isso é muito positivo. Estão refletindo, respondendo os questionários. Os leigos é que apontam os caminhos A equipe articuladora reúne tudo e vai selecionando o que foi mais forte para avaliação na assembleia”, detalha.


Mobilização


     Há 22 anos na Prelazia, frei Luís Antonio Fernandez Aguado lembra que, normalmente, a Assembleia Pastoral acontece a cada três anos. A décima quarta edição era para ser realizada em janeiro de 2022. “Mas, devido a pandemia, um ano com tudo parado, se achou melhor passá-la para janeiro de 2023. Tivemos reuniões online, estabelecemos dois objetivos: aplicar todo o processo do Sínodo da Amazônia na Prelazia e conseguir chegar a um plano prelatício de iniciação à vida cristã”, explica frei Antonio.


      De acordo com o coordenador, desde o início, já se criaram atitudes para que participe o maior número de pessoas possíveis. “Consideramos que o caminho já é parte da assembleia. Quanto mais participativa muito melhor. Com base nos dois instrumentos de trabalho, a etapa paroquial é para ver de perto a caminhada, através das consultas, dos questionários. A ideia é, em novembro, recolher esse material, atualizar, dar uma segunda redação e, em janeiro de 2023, na assembleia, rever ponto por ponto e aprovar o documento final, contendo o plano da iniciação da Prelazia e as propostas encaminhadas para colocar em prática o Sínodo”, adianta frei Antonio.


 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Paróquia festeja centenário com dedicação da igreja   |   Liga Católica retoma atividades   |   Feira de roupas vai ajudar a Caritas   |   As muitas histórias dentro de 100 anos   |  





Publicado em: 01/09/2021

Lideranças se mobilizam para Assembleia Pastoral

Paróquia da Amazônia fez primeiro encontro

 

A XIV Assembleia Pastoral da Prelazia de Lábrea, no Amazonas, vai acontecer em 2023 na Paróquia Santa Rita, em Tapauá. Todas as paróquias iniciaram já o processo preparatório para a assembleia. A intenção é que sejam realizados dois encontros paroquiais a cada ano, até janeiro de 2023. A Paróquia São João Batista, em Canutama, administrada pelos padres da Diocese de Ponta Grossa, Osvaldo Pinheiro e José Nilson Santos, reuniu suas lideranças em um primeiro momento, congregando integrantes dos conselhos de comunidade da cidade e do interior. Além dos dois sacerdotes, o coordenador da assembleia, frei Luís Antonio Fernandez Aguado, também participou.


     “Nesse encontro paroquial, no dia 21, vieram todas as lideranças dos conselhos de comunidade da cidade. Do interior, não vieram todos porque não são todas que têm conselho estruturado, mas conseguimos trazer alguns líderes de algumas comunidades”, comenta padre Nilson, citando que existe uma equipe articuladora paroquial, que está organizando o trabalho na base. A intenção é tratar dois assuntos importantes: o Sínodo da Amazônia, quais são as luzes que trouxe para a região, partindo das comunidades, sobre o que refletiu, em que ele ajuda, quais os novos caminhos em que é preciso avançar enquanto Igreja Particular. “Olhando a vida; não só a mata, a cultura, os povos... e, ao mesmo tempo, a missão da Igreja diante daquilo que ameaça a vida”, argumenta o vigário. O primeiro tema da assembleia é justamente esse: ‘Vida e Missão na querida Amazônia’


     O segundo aspecto é a Catequese. “Como a Igreja da Amazônia está tratando os discípulos missionários. A missão é evangelizar. Neste momento, como está esse ‘formar discípulos’, não só crianças, mas adultos. O desafio de formar discípulos maduros, formar pessoas convictas de sua fé, de sua missão, de seu lugar na Igreja. Como elaborar um plano prelatício para a Catequese, seja de crianças, jovens e adultos. Como falar, ter um material que leve a Prelazia a trabalhar em conjunto, em uma mesma direção. No momento, se encontra muita dificuldade. Não há plano de pastoral voltado para a Catequese. Todas as paróquias têm a Catequese de cunho Catecumenal, mas precisam falar uma mesma linguagem; ter um início e um fim, um itinerário”, acrescenta padre Nilson.


     Conforme o padre, desde que chegaram as propostas na paróquia, os sacerdotes têm se reunido com agentes de pastorais, movimentos e foi formada a equipe paroquial, com representantes da cidade, dos quatro esteios da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil: Palavra, Eucaristia, Caridade e Missão, além de representantes dos ribeirinhos e das aldeias indígenas. “Se debruçaram sobre os documentos, trazem questionamentos, tudo para iluminar a realidade e o agir. A própria base das paróquias, as lideranças, estão se preparando para a assembleia e isso é muito positivo. Estão refletindo, respondendo os questionários. Os leigos é que apontam os caminhos A equipe articuladora reúne tudo e vai selecionando o que foi mais forte para avaliação na assembleia”, detalha.


Mobilização


     Há 22 anos na Prelazia, frei Luís Antonio Fernandez Aguado lembra que, normalmente, a Assembleia Pastoral acontece a cada três anos. A décima quarta edição era para ser realizada em janeiro de 2022. “Mas, devido a pandemia, um ano com tudo parado, se achou melhor passá-la para janeiro de 2023. Tivemos reuniões online, estabelecemos dois objetivos: aplicar todo o processo do Sínodo da Amazônia na Prelazia e conseguir chegar a um plano prelatício de iniciação à vida cristã”, explica frei Antonio.


      De acordo com o coordenador, desde o início, já se criaram atitudes para que participe o maior número de pessoas possíveis. “Consideramos que o caminho já é parte da assembleia. Quanto mais participativa muito melhor. Com base nos dois instrumentos de trabalho, a etapa paroquial é para ver de perto a caminhada, através das consultas, dos questionários. A ideia é, em novembro, recolher esse material, atualizar, dar uma segunda redação e, em janeiro de 2023, na assembleia, rever ponto por ponto e aprovar o documento final, contendo o plano da iniciação da Prelazia e as propostas encaminhadas para colocar em prática o Sínodo”, adianta frei Antonio.


 


Diocede Ponta Grossa
O primeiro encontro paroquial preparatório aconteceu dia 21   |   Paróquia São João Batista/Canutama, Prelazia de Lábrea

Diocede Ponta Grossa
As lideranças vieram de todas as paróquias da cidade   |   Paróquia São João Batista/Canutama, Prelazia de Lábrea

Diocede Ponta Grossa
Frei Antonio considera a preparação já parte da assembleia   |   Paróquia São João Batista/Canutama, Prelazia de Lábrea

Diocede Ponta Grossa
Neste encontro inicial, padres José Nilson e Osvaldo receberam frei Antonio   |   Paróquia São João Batista/Canutama, Prelazia de Lábrea


Navegue até a sua Paróquia