DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA

       
SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 03/08/2018

Escola diaconal da Diocese entra na fase de escrutínios

As comunidades avaliam os candidatos em um amplo questionário

 
Os momentos de espiritualidade acontecem na capela do centro bíblico, diariamente Os momentos de espiritualidade acontecem na capela do centro bíblico, diariamente | Crédito: AssCom Diocese de Ponta Grossa

     A Escola Diocesana Santo Estevão de Formação de Diáconos Permanentes existe há mais de dez anos na Diocese de Ponta Grossa e já formou 72 diáconos. Na turma 2015-2019, são 54 candidatos de 11 cidades e 21 paróquias. A formação, que é dividida em dez etapas e dura cinco anos, entra neste momento na fase dos escrutínios. Pessoas darão um parecer a respeito dos candidatos nas comunidades, inclusive a própria esposa. As respostas serão analisadas por um Conselho de Ordens, criado pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi. A devolutiva aos candidatos acontece em dezembro, quando eles saberão se devem continuar a formação para serem ordenados em 2020.

     O coordenador da Escola Diaconal, padre Mário Dwulatka, comenta que há uma formação abrangente na área da Teologia, com muitos dos professores do Instituto de Filosofia e Teologia Mater Eclesiae, também da Diocese, “ mas, com uma nota fundamental que é a do serviço ligado ao Ministério Diaconal. Os escrutínios vão apontar se eles (os candidatos) estão aptos para ser formar, se precisarão fazer algo mais para melhorar e, portanto, precisariam de mais duas etapas, ou então encerrar a formação por aqui e continuar atuando como leigos nas suas comunidades”, explicou o coordenador. Segundo o padre, os candidatos estão sendo orientados, preparados pela Escola “para que estejam a disposição para realizar a vontade de Deus a respeito desse momento e diminuir um pouco a tensão da expectativa”.

     A avaliação consiste na entrega de um questionário a respeito de todos os aspectos da vida do candidato: o lado humano, religioso, social, de vivência familiar, entre outros aspectos. A resposta é sigilosa. Os questionários são avaliados por um colegiado. A partir desta análise, o bispo dom Sergio faz uma síntese e repassa ao candidato se ele deve continuar ou não a formação. Os escrutínios serão realizados em dois meses. A análise vai ser feita em novembro e o resultado será conhecido no início de dezembro.

     Atualmente, a Diocese de Ponta Grossa conta com 80 diáconos. Desses, apenas oito foram formados em Santa Catarina. Os demais foram ordenados na Escola Santo Estevão. As aulas acontecem no Centro Bíblico Regnum Dei, no Jardim América, e são ministradas por padres e diáconos. O diácono faz parte do Clero; recebe o Sacramento da Ordem, em primeiro grau. No segundo grau, estão os padres/presbíteros, e, em terceiro, o bispo. As funções, no entanto, são distintas. “O diácono está mais voltado ao ministério da caridade, aos cuidados da Igreja Samaritana, aos mais carentes mais necessitados, ainda que tenha funções na Liturgia. Não lhe é permitido o Sacramento da Penitência ou Reconciliação, Unção dos Enfermos e a presidência da celebração eucarística. Ele celebra a Palavra mas não a Eucaristia”, explicou padre Mário Dwulatka.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| da | Padre conhece santuário de irmã Cleusa | Dia da Mãe Aparecida é festejado pelos devotos | Santuário de Brotas terá programação especial dia 12 |





Publicado em: 03/08/2018

Escola diaconal da Diocese entra na fase de escrutínios

As comunidades avaliam os candidatos em um amplo questionário

 

     A Escola Diocesana Santo Estevão de Formação de Diáconos Permanentes existe há mais de dez anos na Diocese de Ponta Grossa e já formou 72 diáconos. Na turma 2015-2019, são 54 candidatos de 11 cidades e 21 paróquias. A formação, que é dividida em dez etapas e dura cinco anos, entra neste momento na fase dos escrutínios. Pessoas darão um parecer a respeito dos candidatos nas comunidades, inclusive a própria esposa. As respostas serão analisadas por um Conselho de Ordens, criado pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi. A devolutiva aos candidatos acontece em dezembro, quando eles saberão se devem continuar a formação para serem ordenados em 2020.

     O coordenador da Escola Diaconal, padre Mário Dwulatka, comenta que há uma formação abrangente na área da Teologia, com muitos dos professores do Instituto de Filosofia e Teologia Mater Eclesiae, também da Diocese, “ mas, com uma nota fundamental que é a do serviço ligado ao Ministério Diaconal. Os escrutínios vão apontar se eles (os candidatos) estão aptos para ser formar, se precisarão fazer algo mais para melhorar e, portanto, precisariam de mais duas etapas, ou então encerrar a formação por aqui e continuar atuando como leigos nas suas comunidades”, explicou o coordenador. Segundo o padre, os candidatos estão sendo orientados, preparados pela Escola “para que estejam a disposição para realizar a vontade de Deus a respeito desse momento e diminuir um pouco a tensão da expectativa”.

     A avaliação consiste na entrega de um questionário a respeito de todos os aspectos da vida do candidato: o lado humano, religioso, social, de vivência familiar, entre outros aspectos. A resposta é sigilosa. Os questionários são avaliados por um colegiado. A partir desta análise, o bispo dom Sergio faz uma síntese e repassa ao candidato se ele deve continuar ou não a formação. Os escrutínios serão realizados em dois meses. A análise vai ser feita em novembro e o resultado será conhecido no início de dezembro.

     Atualmente, a Diocese de Ponta Grossa conta com 80 diáconos. Desses, apenas oito foram formados em Santa Catarina. Os demais foram ordenados na Escola Santo Estevão. As aulas acontecem no Centro Bíblico Regnum Dei, no Jardim América, e são ministradas por padres e diáconos. O diácono faz parte do Clero; recebe o Sacramento da Ordem, em primeiro grau. No segundo grau, estão os padres/presbíteros, e, em terceiro, o bispo. As funções, no entanto, são distintas. “O diácono está mais voltado ao ministério da caridade, aos cuidados da Igreja Samaritana, aos mais carentes mais necessitados, ainda que tenha funções na Liturgia. Não lhe é permitido o Sacramento da Penitência ou Reconciliação, Unção dos Enfermos e a presidência da celebração eucarística. Ele celebra a Palavra mas não a Eucaristia”, explicou padre Mário Dwulatka.


Diocede Ponta Grossa
Os momentos de espiritualidade acontecem na capela do centro bíblico, diariamente   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
São 54 candidatos que estão concluindo esta oitava etapa   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
São 54 candidatos que estão concluindo esta oitava etapa   |   AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia



Cúria
Cúria
Imprensa
Clipping
Download