DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA

       
SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 05/08/2018

Paróquia incentiva fiéis a descartar corretamente óleo usado

As garrafas pet são recolhidas na igreja São José

 
Matheus de Quadros diz que a parceria com a paróquia São José é uma experiência-teste. Se as pessoas aderirem, benefício será levado a outras comunidades Matheus de Quadros diz que a parceria com a paróquia São José é uma experiência-teste. Se as pessoas aderirem, benefício será levado a outras comunidades | Crédito: Assessoria de Imprensa Diocese de Ponta Grossa

     Há 15 dias, um contêiner colocado no estacionamento da paróquia São José/Santuário do Perpétuo Socorro, em Ponta Grossa, armazena garrafas pet com óleo de cozinha usado. Os fiéis são orientados, durante as missas e novenas, para que tragam o óleo em garrafas, bem lacradas, e as coloquem dentro do depósito. O óleo será coletado e levado para uma empresa em Curitiba, onde será reciclado. “Ideia é alertar as pessoas para o descarte correto do óleo, que não joguem em qualquer lugar porque a poluição é muito grande”, ressalta o pároco da São José, padre Casemiro Oliszeski.

     Segundo o padre, incentivando que as pessoas recolham o óleo de cozinha já usado é possível evitar danos ao meio ambiente. “É simples: usou, coloca em litros pets, fecha bem e traz à igreja”, orienta o pároco, citando que a parceria foi proposta por um rapaz que frequenta a paróquia. “Ele participa das novenas no santuário e, percebendo o grande número de pessoas que vêm ao santuário em especial, na quarta-feira, pediu para que divulgássemos e incentivássemos as pessoas a participar”, acrescenta padre Casemiro. Quando o contêiner estiver cheio, o próprio rapaz retira as garrafas. “As pessoas estão aderindo bem, porque (elas) não sabem o que fazer com o óleo. É algo interessante e uma colaboração com todo esse esforço de cuidar da nossa casa comum que é o nosso planeta”, avalia o pároco.

     Matheus Stremel de Quadros é o responsável pela coleta. Ele trabalha como autônomo e conta que em Ponta Grossa apenas alguns restaurantes, hotéis e lanchonetes guardam o óleo usado e o encaminham para reciclagem. “Eu pensei em bater de casa em casa, recolhendo o óleo, mas daria muito trabalho e demoraria muito para ver o retorno. Com a participação da igreja como ponto de coleta fica bem mais fácil”, comenta. A empresa onde entregará o óleo de cozinha o reciclará, produzirá um material 100% biodegradável a partir dele e emitirá uma declaração que a igreja São José fez o destino correto do óleo, de acordo com a legislação ambiental.

     Quadros lembra que ainda não tirou os litros do contêiner, mas calcula que perto de 70 garrafas já tenham sido entregues. “Devagar vai surtir efeito. Queremos que vire um hábito guardar o óleo usado e é muito importante a participação da Igreja. Há estudos que apontam que jogar um litro de óleo usado na natureza polui um milhão de litros de água. Quando se joga no quintal, além de acabar com o solo, com o sol, o óleo evapora e libera gás metano. É muito prejudicial. Ou seja, estamos ajudando o meio ambiente e também a paróquia”, argumenta. A Paróquia São José receberá 40% em cima do valor de cada litro de óleo comercializado.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Piraí se prepara para festejar Nossa Senhora das Brotas | Paroquianos do Santa Paula ganham nova capela | Padre Agostinho festeja seu jubileu de ouro | Presépio evangeliza e encanta |





Publicado em: 05/08/2018

Paróquia incentiva fiéis a descartar corretamente óleo usado

As garrafas pet são recolhidas na igreja São José

 

     Há 15 dias, um contêiner colocado no estacionamento da paróquia São José/Santuário do Perpétuo Socorro, em Ponta Grossa, armazena garrafas pet com óleo de cozinha usado. Os fiéis são orientados, durante as missas e novenas, para que tragam o óleo em garrafas, bem lacradas, e as coloquem dentro do depósito. O óleo será coletado e levado para uma empresa em Curitiba, onde será reciclado. “Ideia é alertar as pessoas para o descarte correto do óleo, que não joguem em qualquer lugar porque a poluição é muito grande”, ressalta o pároco da São José, padre Casemiro Oliszeski.

     Segundo o padre, incentivando que as pessoas recolham o óleo de cozinha já usado é possível evitar danos ao meio ambiente. “É simples: usou, coloca em litros pets, fecha bem e traz à igreja”, orienta o pároco, citando que a parceria foi proposta por um rapaz que frequenta a paróquia. “Ele participa das novenas no santuário e, percebendo o grande número de pessoas que vêm ao santuário em especial, na quarta-feira, pediu para que divulgássemos e incentivássemos as pessoas a participar”, acrescenta padre Casemiro. Quando o contêiner estiver cheio, o próprio rapaz retira as garrafas. “As pessoas estão aderindo bem, porque (elas) não sabem o que fazer com o óleo. É algo interessante e uma colaboração com todo esse esforço de cuidar da nossa casa comum que é o nosso planeta”, avalia o pároco.

     Matheus Stremel de Quadros é o responsável pela coleta. Ele trabalha como autônomo e conta que em Ponta Grossa apenas alguns restaurantes, hotéis e lanchonetes guardam o óleo usado e o encaminham para reciclagem. “Eu pensei em bater de casa em casa, recolhendo o óleo, mas daria muito trabalho e demoraria muito para ver o retorno. Com a participação da igreja como ponto de coleta fica bem mais fácil”, comenta. A empresa onde entregará o óleo de cozinha o reciclará, produzirá um material 100% biodegradável a partir dele e emitirá uma declaração que a igreja São José fez o destino correto do óleo, de acordo com a legislação ambiental.

     Quadros lembra que ainda não tirou os litros do contêiner, mas calcula que perto de 70 garrafas já tenham sido entregues. “Devagar vai surtir efeito. Queremos que vire um hábito guardar o óleo usado e é muito importante a participação da Igreja. Há estudos que apontam que jogar um litro de óleo usado na natureza polui um milhão de litros de água. Quando se joga no quintal, além de acabar com o solo, com o sol, o óleo evapora e libera gás metano. É muito prejudicial. Ou seja, estamos ajudando o meio ambiente e também a paróquia”, argumenta. A Paróquia São José receberá 40% em cima do valor de cada litro de óleo comercializado.


Diocede Ponta Grossa
Matheus de Quadros diz que a parceria com a paróquia São José é uma experiência-teste. Se as pessoas aderirem, benefício será levado a outras comunidades   |   Assessoria de Imprensa Diocese de Ponta Grossa

Diocede Ponta Grossa
Padre Casemiro recebendo algumas garrafas de óleo de cozinha usado. Contêiner fica no estacionamento da paróquia   |   Assessoria de Imprensa Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia



Cúria
Cúria
Imprensa
Clipping
Download