DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA

       
SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


PASTORAL DA COMUNICAÇÃO


Caso alguma vez já tenha ouvido alguém citar sobre PASCOM, deve ter ficado curioso, não?

"PASCOM... O que é isso? Tem a ver com Páscoa?"

     Bem, gostaríamos dizer um pouco sobre a PASCOM, que é a Pastoral da Comunicação.

     A Pastoral da Comunicação (ou simplesmente PASCOM) nasceu da necessidade da Igreja Católica de comunicar-se. Tanto a comunicação através de meios impressos quanto os atuais veículos como televisão, rádio e Internet. A principal função da PASCOM dentro da Igreja é comunicar. Mas só comunicar? Acredite, comunicar não é só comunicar. A comunicação que a PASCOM trabalha vai desde a comunicação entre as pastorais, movimentos e comunidades, e organização de eventos e trabalhos (tais como jornais, rádio, festivais, etc).

     Caso você esteja pensando: "Ah... Mas não sei nada sobre comunicação...", engana-se!

     Por acaso você participa de equipe de canto, catequese, liturgia, encontro de jovens ou simplesmente participa da missa? Então você também é um comunicador! Um comunicador adormecido, digamos, mas você comunica, leva a palavra, o exemplo de Jesus aos irmãos.

     Nós, como Comunicadores Sociais, procuramos levar a palavra de Deus através dos meios de comunicação que tivermos alcance, seguindo os passos de Jesus Cristo, que foi o maior exemplo de comunicador. Isto é ser PASCOM!

     O que é PASCOM?
    "A Pascom é a pastoral do ser/estar em comunhão/comunidade. É a pastoral da acolhida e da participação, das inter-relações humanas, da organização solidária, do planejamento democrático, do uso dos recursos e instrumentos que facilitem o intercâmbio de informações e manifestações das pessoas no interior da comunidade e da sociedade" - (Doc 57 da CNBB, nº 244).

    A Pastoral da Comunicação é um grupo de pessoas que tem como principal objetivo “pensar a comunicação” em nossa Paróquia. Como missão de uma verdadeira comunicação cristã, visa provocar a comunicação interna da igreja, despertando uma consciência mais crítica diante dos meios de comunicação e tudo o que acontece na comunidade e sociedade.

Características da Pastoral:
INTEGRAÇÃO: Comunicação como relação entre as pessoas, e a integração entre as Pastorais e Movimentos.

VISIBILIDADE: Interna (articulação dentro da Comunidade) e Externa (mostrando o rosto da Igreja e suas Pastorais para fora), através da divulgação das atividades e da ação da Igreja mediante ações concretas.

JUSTIFICATIVA: “Evangelizar é Comunicar” (Puebla 1063). Apesar da CNBB, sentindo a gravidade da situação, colocar a comunicação como primeiro destaque na Ação Evangelizadora da Igreja do Brasil, e o Regional Sul II aceitar e assumir esse compromisso Pastoral colocando a comunicação como destaque, ainda se sente a necessidade urgente da comunicação interna e externa da Igreja.

OBJETIVO GERAL: Estruturar o setor de comunicação em cada diocese, com recursos e pessoas, dando formação técnica, espiritual e eclesial aos comunicadores, formando a consciência crítica, aproximando os profissionais da Igreja e utilizando melhor os espaços adquiridos e oferecidos.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Explorar matérias com testemunhos cristãos.
Incentivar o uso da Internet – Diocese/Paróquia – e-mail.
Programação evangelizadora para rádios comerciais.
Melhorar a programação das TV´s Católicas, rever as missas gravadas.
OBJETIVOS PARA CADA ÁREA:
IMPRESSO
Profissionalismo na produção dos materiais.
Necessidade de que cada diocese possa ter um profissional com formação de Pastoral dos meios de comunicação, como também reciclagem com os membros que fazem parte da equipe.
Curso de comunicação popular impressa, por correspondência.
Que cada diocese, assim como as paróquias, tenham seus boletins informativos.

RÁDIO
O rádio é um dos meios mais eficaz. Quase todas as dioceses tem uma participação efetiva nas emissoras.
Formação de locutores tanta na igreja local como na Pastoral dos meios de comunicação social.
Evangelização através de uma programação normal, dentro de uma rádio comercial.
Filtrar notícias e músicas.

TV
Melhorar os espaços já adquiridos e aproveitar espaços que forem oferecidos.
Formação da consciência crítica, através dos grupos de reflexão.
Melhorar a programação da rede católica de TV.
A necessidade da união dos canais católicos.
Rever as missas gravadas.
Aproveitamento das TV´s comunitárias.

INTERNET
Assessorar as dioceses e paróquias.
Divulgar o Programa Rede Solidária e o discador gratuito de Internet.

DIRETRIZES:
Criar e fortalecer as Equipes de Pastoral da Comunicação, em nível regional, diocesano e paroquial.
Criar e/ ou fortalecer serviços diocesanos de comunicação com profissionais da área.
Incluir e fortalecer, nos cursos de filosofia e teologia, formação específica sobre Pastoral da Comunicação.
Proporcionar formação e capacitação aos agentes da Pastoral da Comunicação.
Organizar de forma centralizada os programas de informatização paroquiais e diocesanos permitindo que eles funcionem de forma integrada.
Criar e manter uma rede de repórteres no Regional com um repórter em cada diocese, com vistas à organização de uma central de notícias.

ATIVIDADES PERMANENTES:
Mobilização, formação e organização de equipes de comunicação, em nível de Regional Sul II, Dioceses, setores e paróquias.
Cursos de comunicação para agentes de Pastoral, comunidades eclesiais e grupos diversos.
Treinamento para a leitura crítica da comunicação – LCC para agentes de pastoral, comunidades eclesiais, escolas e grupos diversos.
Encontros Específicos para Agentes da Pastoral da Comunicação.
Assessoria de Imprensa.
Pastoral dos Comunicadores Profissionais.
Divulgar o Programa Rede Solidária.
Integração de atividades com as demais Pastorais através de encontros, cursos e veiculação de informações.

PRIORIDADES:
· Encontros Regionais da Pastoral da Comunicação.
· Dinamizar a Pastoral da Comunicação, em nível de Regional, Dioceses, setores e paróquias.
· Cursos e Encontros de Formação.

FONTE: Diretrizes das Pastorais e Organismos – 2004-2007 - Documento da CNBB – Regional Sul II – n.4. Pastoral da Comunicação – Diocese de Ponta Grossa.

HISTÓRICO BREVE
Conforme recomenda o documento 59 da CNBB: “Igreja e Comunicação rumo ao novo milênio”, 1997 as ações comunicativas devem ser planejadas. O Regional Sul 2 assumiu em novembro de 1998, 3 prioridades para as Dioceses do Paraná:
1. Criar e fortalecer as Equipes de Pastoral da Comunicação Diocesana e Paroquial.
2. Criar e fortalecer serviços de comunicação com profissionais da área.
3. Incluir nos cursos dos Institutos – formação específica sobre Pastoral da Comunicação.
     Na reunião do Conselho Diocesano de Pastoral do dia 23 de outubro de 1999 – no Seminário Verbo Divino foi tratado sobre a Pastoral da Comunicação e Projetos da Pastoral da Comunicação. Foram tratados de projetos que envolviam a Comunicação: Visual, Televisiva, Auditiva: Radio Sant´Ana e outras Rádios, Comunicação Escrita: Jornal Diocesano “Anunciando a Boa Nova” e espaços em outros jornais; informativos paroquiais; divulgação de CDS Religiosos, Encontro com Secretárias (os) paroquiais; Som das Igrejas; Curso de Comunicação no Ifiteme; contato com profissionais da Comunicação e Pastoral da Acolhida nas Comunidades. Foi visto também que na época esta pastoral precisava de mais agentes e recursos. O Encontro na época foi coordenado pelo Pe. Mário Dwulatka como o responsável da Pastoral da Comunicação.

     O Bispo deste período foi Dom João Braz de Aviz que sempre incentivou a comunicação a serviço do evangelho e da fraternidade. No processo histórico das comunicações da Diocese vemos com alegria a Rádio Sant´Ana pensada e organizada no tempo de Dom Geraldo M. Pellanda e assumida com zelo pastoral no tempo de Dom Murilo S. Ramos Krieger. Vemos com alegria o boletim Diocesano virar o Jornal Boa Nova da Diocese com Dom Murilo e incrementado por Dom João Braz de Aviz. Com apoio de leigos a instalação das Repetidoras da TV Rede Vida e Canção Nova na Diocese.

     No ano de 2000 assumiu a responsabilidade pela Equipe Diocesana da Pastoral da Comunicação o Pe. Edvino Sicuro que juntamente com os padres e uma equipe de leigos voluntários procurou criar e fortalecer a Pastoral da Comunicação nas Paróquias e na Diocese de Ponta Grossa. Foram feitos vários cursos de capacitação de liderança na área da comunicação. Pe. Edvino também articulou o contato com as mídias da Diocese. O grande desafio sempre foi a criação e implantação da Pastoral da Comunicação nas Paróquias, mais recursos humanos, didáticos e financeiros.

     No ano de 2006 Pe. Edvino Sicuro sobrecarregado com os cuidados pastorais da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário em Ponta Grossa como pároco entregou sua atribuição de Assessor da Pastoral da Comunicação para a Diocese de Ponta Grossa ao Bispo Diocesano Dom Sérgio Arthur Braschi.

     Em 2006 Dom Sérgio Arthur Braschi convidou o Pe. Ademir da Guia Santos para assessorar a Pastoral da Comunicação da Diocese de Ponta Grossa, e articular e organizar o Site da Diocese. Foi apresentado em 2006 a Pastoral da Comunicação aos Padres da Diocese de Ponta Grossa e os projetos vistos com a Equipe de Coordenação da PASCOM. Como elemento de formação esta sendo articulado uma “Cartilha da Pastoral da Comunicação” para todas as Comunidades Paroquiais da Diocese. Desafios: a falta de mais agentes de pastoral da comunicação; criar e fortalecer a Pastoral da Comunicação nas Paróquias. Alegrias: muitas Paróquias da Diocese tem Equipes de Pastoral de Comunicação, boletins paroquiais, sites, programas de rádio, espaço na TV e integração com a mídia local. Busca-se a integração com o Jornal Diocesano, Rádio Sant`Ana e Site: www.diocesepontagrossa.com.br . Com o Clero foi analisado várias vezes sobre a Informatização dos Sistemas das Paróquias e da Cúria Diocesana para integração e troca de informação.

     Queremos lembrar que os bispos Dom João Braz de Aviz, Dom Murilo S. Ramos Krieger, Dom Francisco Carlos Bach (Pe. Chico) e atualmente Dom Sérgio Arthur Braschi , com seu estimulo foram fundamentais para o incremento das comunicações na Diocese de Ponta Grossa. Também o papel animador, organizador e articulador do Pe. Mario Dwulatka, Pe. Edvino Sicuro e atualmente do Pe. Ademir da Guia Santos. O testemunho de amor a Igreja na dimensão da Comunicação intra e extra eclesial de tantos leigos que voluntariamente se dedicaram e dedicam na Pastoral da Comunicação.

         A história é um livro aberto e todos somos chamados a colaborar para que a mensagem do Evangelho através dos múltiplos meios de comunicação cheguem à todas as pessoas.

Fonte: Pe. Ademir da Guia Santos - Assessor Diocesano da PasCom

RELATÓRIO DE SONDAGEM – PROPOSTAS DA PASCOM/2006

Proposta da Coordenação da PasCom:
· Divulgar e Incentivar a Pascom nos CPPs.
· Encontros de Formação para Pascons e lideranças.
· Encontros nos Setores Pastorais.
· Encontro com as (os) secretários paroquiais.
· Confeccionar um folder da Pascom Diocesana.
· Articular Comunicação com Centro Integrado, Rádio Sant´Ana, Jornal Boa Nova e Site da Diocese.
· Articulação com a Mídia – Meios de Comunicação Social.
· Teologia/ Filosofia/ Teologia de Leigos – módulo sobre Comunicações.
· Congresso da Comunicação Diocesano.

Propostas da Reunião da Pascom na Paróquia São José:
· Formação para os agentes da Pastoral da Comunicação.
· Manual da Pastoral da Comunicação. CARTILHA DA PASCOM.
· Encontros de Formação nos Setores.
· Folder da Pascom – articular.

Propostas da Reunião dos Padres da Cidade de Ponta Grossa:
· Encontro nos Setores (Motivação e Formação).
· Eleger um Coordenador Setorial em P.Grossa / cada setor.
· Encontro Secretarias (os) paroquiais: Tratar de Questões práticas: postura, sacramentos e direito canônico.
· Padres abertos às propostas da Pascom.

Obs.: “Estamos motivando e incentivando a Comunicação nas paróquias e na Diocese, embora que não tenhamos ainda grupos bem formados”. Vivência e Apostolado

Empregar eficazmente os MCS nas múltiplas obras de apostolado.
Animem-se agentes de pastoral para que dêem testemunho de Cristo nos M.C.S.
Promova-se a boa imprensa e incentive-se a imprensa católica.
Dar eficaz ajuda e incentivo às boas transmissões de rádio e televisão.
Montar e incentivar estações católicas e ilha de edição de vídeo tape.
Ir ao encontro dos comunicadores e formadores de opinião pública.
Valorizar e envolver os profissionais dos M.C.S. (jornalistas, repórteres, técnicos e proprietários das empresas do ramo).
Formação das lideranças de todos os níveis, de todas as pastorais, pois são os comunicadores do Reino.
Conscientizar o clero para informatizar as paróquias.
EXEMPLOS OU LIÇÕES, NUNCA MODELOS!

     Apresentamos, agora, uma série de atividades que estão sendo desenvolvidas em várias comunidades por Equipes de Pastoral da Comunicação.

     Podem ser exemplos estimulantes ou lições para se fazer melhor; só não é uma lista de modelos a serem seguidos pois, como já foi apresentado, o primeiro passo é planejar a partir da realidade na qual a Equipe está inserida.

     Projetos para oferecer ocasião de diálogo dentro da comunidade

     A Equipe de Comunicação pode desenvolver uma série de projetos com o objetivo de favorecer o diálogo entre as pessoas que freqüentam a comunidade e entre os vários grupos que formam a comunidade.

     Estes projetos podem ser desenvolvidos através de: pesquisas, entrevistas, debates em grupos ou outros.

     Garantir o protagonismo de todos é uma das missões da Equipe de Comunicação.

Cursos de formação de agentes da Pastoral
     Todos os agentes da Pastoral da comunidade fazem comunicação e, por isso, podem ser convidados a refletir sobre a própria prática. Ex.: como usam o vídeo na catequese?; como são as palestras do curso de noivos?; como são os folhetos da pastoral da saúde?; etc.

     A Equipe de Comunicação pode se oferecer para refletir em conjunto sobre como a comunicação acontece em cada pastoral, tendo sempre presente que todos aprendemos juntos, e sempre haverá passos a serem dados para que ocorra uma comunicação melhor.

Programação visual dos ambientes da comunidade.
     A Equipe de Comunicação, em parceria com a Equipe Litúrgica, com a Pastoral da Acolhida, da Catequese e outros, pode desenvolver um trabalho relacionado com a arrumação da igreja, do salão paroquial e da secretaria, tendo como objetivo, torná-los mais acolhedores e sendo sinais que explicitem a mensagem da própria comunidade a todos os que a visitam.

     Este projeto pode incluir: elementos de decoração, construção de ambientes apropriados para atendimento, produção artística de cartazes e "banners", etc.

     A Equipe pode ajudar a comunidade a ser mais acolhedora, primeiro passo para realizar a comunicação.

Promover a acolhida nas secretarias paroquiais
Um momento importante de comunicação da comunidade acontece na recepção que a secretária plantonista oferece às pessoas que procuram o atendimento para sacramentos, documentos e informações.

     A Equipe de Comunicação pode ajudar a melhorar este serviço cuidando do ambiente físico, treinando as pessoas atendentes, produzindo folhetos informativos, etc. A comunicação interpessoal, importante, a qualquer instituição, é vital para a Igreja.

Campanhas da Comunidade
     Em parceria e a serviço das várias Pastorais, a Equipe de Comunicação ajuda a elaborar toda a estratégia de campanhas que têm como objetivo, envolver a Comunidade com cartazes, notas nos jornais e rádios, folhetos e contatos pessoais.

     Estas campanhas são muito importantes para se construir a Imagem da Comunidade: Campanha para os Flagelados, Campanha de Agasalhos, Campanha da Fraternidade, Campanha de Inscrição na Catequese Sacramental, Campanha de Reforma da Capela, Campanha de Sustentação das Obras da Igreja, etc.

Boletim interno da Comunidade
     Com o objetivo de integrar os vários seguimentos vivos que compõem a rede da comunidade, o "Boletim" divulga notícias, comemorações, necessidades e atividades de cada movimento, pastoral ou comunidade de base.

     É um veículo da vida interna da comunidade. Deve procurar dar voz a todos os que a constróem e não só aos coordenadores, e muito menos só aos membros da Equipe de Comunicação.

Jornal da Comunidade
     É um jornal com características missionárias, escrito para quem é participante da comunidade, porém, não pertence ao grupo dos que estão comprometidos com sua estrutura.

     Tem um estilo aberto, dialoga com a sociedade e trata de assuntos de interesses mais gerais. É um convite a participar mais inteiramente da comunidade. Sua distribuição procura atingir as pessoas que freqüentam e as pessoas que podem vir a freqüentar a comunidade. Não é centrado na estrutura da Igreja; é centrado no leitor.

Manter atualizado o Jornal Mural
     Em muitas comunidades, uma forma eficiente de comunicação é o Jornal Mural. Com letras grandes e textos concisos, o Jornal Mural tem a função de motivar e informar a comunidade.

     Com atenção e bom gosto, pode-se fazer um Mural eficiente que não seja só um amontoado de cartazes e avisos.

     A Equipe de Comunicação pode assumir o compromisso de colher o material da comunidade e expô-lo devidamente.

Folhetos de evangelização/catequese
     A equipe de comunicação, em parceria com os grupos responsáveis pela catequese, prepara pequenos folhetos para serem distribuídos em ocasiões especiais ou para grupos determinados.

     Os folhetos tratam de um único tema com o objetivo de conscientizar, informar ou animar, e pode ser sobre: a vida do Santo padroeiro, com oração para ser distribuída na época da festa; o momento do ano litúrgico e suas características; a celebração do sacramento para os noivos ou crismandos.

Capacitar e organizar as pessoas que fazem o registro em vídeo e foto das Celebrações
     O desejo de guardar uma recordação da celebração da Primeira Eucaristia ou do casamento tem atraído, cada vez mais, pessoas para estes serviços contratados pelas famílias.

     A Equipe de Comunicação pode ajudar a organizar esta atividade, orientando sobre quais os pontos mais importantes e prevenindo abusos.

     A parceria com estes profissionais pode ser um caminho para pequenas produções da comunidade com o objetivo, não só da lembrança de eventos, mas, também, de registro de experiências e trabalhos formativos da comunidade.

Organizar grupos de Leitura Crítica da Comunicação
     Os meios de comunicação de massa, com freqüência, exercem sobre as pessoas uma força de sedução que pode diminuir-lhes a capacidade crítica.

     É uma experiência consagrada dentro de uma pastoral da Comunicação, o favorecimento da leitura crítica da comunicação, principalmente através de grupos.

Os grupos podem ser reunidos através de várias propostas; por exemplo:
     Grupo de estudo da Comunicação: reúnem-se periodicamente com um programa cujo objetivo é ampliar a própria consciência crítica sobre os vários temas e os vários meios de comunicação;

     Grupo de estudos sobre tema ou evento de sucesso: o projeto é circunscrito pelo interesse do momento:

     Pode ocorrer também o caso de um grupo que está estudando determinado tema queira analisar a partir da comunicação este mesmo tema. Os temas de leitura crítica podem ser os mais variados: cinema, TV, rádio, disco, livro infantil, um filme, em vídeo, sobre família com os noivos, os tele-jornais com um grupo de pais, a última telenovela com as famílias, a canção de sucesso com um grupo de jovens, um filme sobre preconceito com um grupo de crianças da catequese, os vários jornais da cidade com um grupo de professores, as histórias em quadrinhos com um grupo de catequistas, cine-club para jovens, etc.

     A Equipe de Pastoral da Comunicação poderá encontrar apoio para a realização destes debates na presença de especialistas das várias áreas ou seguir sugestões de roteiros disponíveis em livros; porém, o mais importante é o próprio debate onde as várias opiniões podem ampliar a consciência sobre a mensagem recebida.

Divulgar vídeos para a formação e lazer
     O objetivo é favorecer a divulgação de bons filmes em vídeo para famílias e jovens.

     Algumas comunidades chegam a montar pequenas locadoras; porém o alto custo e a dificuldade em se manter uma ampla opção de escolha, torna este projeto viável somente em circunstâncias especiais.

     É possível, porém, a divulgação de listas de filmes recomendados, ou mesmo, em parceria com locadoras comerciais, se criar esquemas de promoção dos filmes recomendados.

Presença junto aos comunicadores profissionais
     Os profissionais da comunicação que militam na rádio, TV e jornais locais são os destinatários privilegiados da Equipe de Comunicação.

     É muito importante se fazer um convite explícito para que integrem a própria equipe.

     Dentre as grandes pautas de ação, nesta área, destaca-se o compromisso de favorecer aos meios de comunicação quando fazem a cobertura de temas e fatos da Igreja, lutar pela liberdade de informação e expressão em todos os níveis, etc.

     A Equipe de Comunicação pode se constituir numa confiável fonte de informações sobre os temas religiosos e Pastorais e uma referência segura para o jornalista que deseja entrar em contato com pessoas da Igreja.

    O Dia das Comunicações, celebrado no Domingo da Ascensão, é uma ocasião para valorizar os profissionais da comunicação.

Manter um programa de Rádio
     A Igreja pode manter vários estilos de programas radiofônicos. A Equipe de Comunicação pode ajudar a manter o caráter interativo destes programas, isto é, garantir a participação ativa de vários seguimentos da comunidade e dos ouvintes.

     Um dos caminhos será a formação de uma "rede de comunicadores populares" que apresentem a vida da comunidade e da Igreja local no programa.

     O valor do rádio como meio de comunicação popular de grande alcance vem se confirmando. É importante que a Equipe de Comunicação garanta a presença da Pastoral no rádio através de um programa ou de uma programação bem feita.

Manter uma coluna no jornal local
     A Equipe de Pastoral da Comunicação pode ajudar a comunidade a manter uma presença constante nos meios locais de comunicação.

     Os jornais, com freqüência abrem, esta possibilidade, sem grandes custos. A Equipe irá auxiliar para que esta presença mantenha uma linguagem adequada e a atitude de diálogo.

     Fonte: PasCom Guarapuava.

PARA MELHORAR A COMUNICAÇÃO E VIVER MELHOR

1. Olhe para as pessoas nos olhos;
2. Ao cumprimentar, aperte a mão com amor;
3. Não espere que as pessoas adivinhem o que você quer: F A L E;
4. Chame as pessoas pelo nome;
5. Seja objetivo. Elogie ou critique a atitude, nunca a pessoa;
6. Evite comparações. Fale o que tiver que falar, mas não compare;
7. Desenvolva a empatia (sentir o sentimento do outro);
8. Aceite as críticas. Pense a respeito: não para entristecer-se ou irritar-se, mas para ver o que elas tem de verdadeiro;
9. Tenha uma posição discreta quanto as maravilhas e aberrações: elas existem no mundo;
10. Mantenha um comportamento diplomático. Não se envolva em bate-papos, não dê importância às fofocas. Lembre-se de que o tempo modifica a visão dos fatos;
11. Saiba guardar segredos profissionais e a ética nos relacionamentos;
12. Lembre-se de que o que é óbvio para você, poderá não ser para o outro;
13. Destaque o que você tiver de positivo;
14. Perdoe. Todos somos humanos, com falhas humanas;
15. Tenha claro suas qualidades e seus defeitos. Cultive-se.


PASTORAIS          































Navegue até a sua Paróquia



Cúria
Cúria
Imprensa
Clipping
Download