DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 21/11/2020

Campanha da Fraternidade será ecumênica

Em 2021, ação envolverá as igrejas cristãs

 
O coordenador do seminário foi padre Edivaldo Donato Bernardo, da diocese de Foz do Iguaçu O coordenador do seminário foi padre Edivaldo Donato Bernardo, da diocese de Foz do Iguaçu | Crédito: Regional Sul 2

     A Campanha da Fraternidade em 2012 será ecumênica. O tema, ‘Fraternidade e diálogo: compromisso de amor’, e o lema, ‘Cristo é a nossa paz: do que era dividido fez uma unidade’ (Ef 2,14ª), serão trabalhados pelas Igrejas integrantes do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC). Em outubro, um seminário nacional online refletiu sobre o desenvolvimento da campanha e, dias 18 e 19, um seminário estadual reuniu, também na forma remota, lideranças religiosas de todo o Paraná no estudo do Texto-base.  

     Representando a Diocese de Ponta Grossa participaram o casal coordenador diocesano da Campanha da Fraternidade, Íria e Antônio Portela, além de Adrianis Galdino Júnior e da professora Maria Iolanda de Oliveira, integrantes da equipe especial de coordenação. De acordo com Íria Portela, a versão ecumênica da campanha acontece a cada cinco anos. “Só a de 2015 precisou passar para 2016 por causa do cinquentenário do Concílio Vaticano II, que aconteceu em 2015. Quem irá conduzir a Campanha da Fraternidade Ecumênica é o CONIC, com a participação, claro, da CNBB”, explica.

      Na Diocese, o diálogo com as demais Igrejas Cristãs se dá por intermédio do Setor de Ecumenismo, que tem à frente Wagnilda Minasi e Ricardo Gomes, informa Íria. “São eles que nos abrem as portas das demais igrejas, que, na Diocese, não são muitas. Nós temos trabalhado mais com a Luterana e a Batista, que passou a integrar o CONIC a partir da última campanha”, acrescenta.

     Ainda conforme a coordenadora, nem Wagnilda nem Ricardo Gomes puderam participar do seminário, mas ambos farão parte do grupo que discutirá o material já disponibilizado e as ações propostas pelo CONIC, juntamente com a equipe diocesana.  


‘Fraternidade e diálogo’

     Através do diálogo amoroso e do testemunho da unidade na diversidade, inspirados e inspiradas no amor de Cristo, os objetivos gerais da Campanha da Fraternidade Ecumênica são convidar comunidades de fé e pessoas de boa vontade para pensar, avaliar e identificar caminhos para a superação das polarizações e das violências que marcam o mundo atual.

     Mais especificamente, a Campanha da Fraternidade pretende denunciar as violências contra pessoas, povos e a Criação, em especial, as que usam o nome de Jesus; encorajar a justiça para a restauração da dignidade das pessoas, para a superação de conflitos e para alcançar a reconciliação social; animar o engajamento em ações concretas de amor à pessoa próxima; promover a conversão para a cultura do amor em lugar da cultura do ódio e fortalecer e celebrar a convivência ecumênica e inter-religiosa.

     A ideia é, juntos, resgatar o diálogo ecumênico a partir de questões sociais, sobretudo, a defesa dos direitos humanos em nosso Estado e fazer o ecumenismo sair do papel, criando momentos celebrativos de partilha da vida; campanhas e ações concretas de defesa e de direitos onde a vida estiver sendo ameaçada, e, encontros de reflexão e aprendizado prático para cuidar do meio ambiente, especificamente a preservação da água e agroecologia.     

     Como ações concretas foram sugeridas a promoção de uma caminhada conjunta nos municípios pela cultura da Paz, a valorização da educação ambiental, com plantio de árvores e a solidariedade com as pessoas mais vulneráveis, a realização de seminários regionais para mapear as circunstâncias onde a dignidade humana está ameaçada; a identificação de conflitos sociais existentes e apontar ou sugerir aos órgãos competentes soluções a partir da defesa dos direitos, além de possibilitar testemunho de fé nos momentos ecumênicos de culto.

     O engajamento nos conselhos municipais e movimentos sociais, e, a participação em sessões plenárias foi apontado como fundamental, ao lado da ação conjunta em campanhas e movimentos em defesa da vida e dos pobres.


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Carreata encerra dia da padroeira em Castro   |   Festa de Sant’Ana especial este ano   |   Paróquia de Reserva realiza bênção dos veículos   |   Tríduo à Sant’Ana inicia nesta sexta   |  





Publicado em: 21/11/2020

Campanha da Fraternidade será ecumênica

Em 2021, ação envolverá as igrejas cristãs

 

     A Campanha da Fraternidade em 2012 será ecumênica. O tema, ‘Fraternidade e diálogo: compromisso de amor’, e o lema, ‘Cristo é a nossa paz: do que era dividido fez uma unidade’ (Ef 2,14ª), serão trabalhados pelas Igrejas integrantes do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC). Em outubro, um seminário nacional online refletiu sobre o desenvolvimento da campanha e, dias 18 e 19, um seminário estadual reuniu, também na forma remota, lideranças religiosas de todo o Paraná no estudo do Texto-base.  

     Representando a Diocese de Ponta Grossa participaram o casal coordenador diocesano da Campanha da Fraternidade, Íria e Antônio Portela, além de Adrianis Galdino Júnior e da professora Maria Iolanda de Oliveira, integrantes da equipe especial de coordenação. De acordo com Íria Portela, a versão ecumênica da campanha acontece a cada cinco anos. “Só a de 2015 precisou passar para 2016 por causa do cinquentenário do Concílio Vaticano II, que aconteceu em 2015. Quem irá conduzir a Campanha da Fraternidade Ecumênica é o CONIC, com a participação, claro, da CNBB”, explica.

      Na Diocese, o diálogo com as demais Igrejas Cristãs se dá por intermédio do Setor de Ecumenismo, que tem à frente Wagnilda Minasi e Ricardo Gomes, informa Íria. “São eles que nos abrem as portas das demais igrejas, que, na Diocese, não são muitas. Nós temos trabalhado mais com a Luterana e a Batista, que passou a integrar o CONIC a partir da última campanha”, acrescenta.

     Ainda conforme a coordenadora, nem Wagnilda nem Ricardo Gomes puderam participar do seminário, mas ambos farão parte do grupo que discutirá o material já disponibilizado e as ações propostas pelo CONIC, juntamente com a equipe diocesana.  


‘Fraternidade e diálogo’

     Através do diálogo amoroso e do testemunho da unidade na diversidade, inspirados e inspiradas no amor de Cristo, os objetivos gerais da Campanha da Fraternidade Ecumênica são convidar comunidades de fé e pessoas de boa vontade para pensar, avaliar e identificar caminhos para a superação das polarizações e das violências que marcam o mundo atual.

     Mais especificamente, a Campanha da Fraternidade pretende denunciar as violências contra pessoas, povos e a Criação, em especial, as que usam o nome de Jesus; encorajar a justiça para a restauração da dignidade das pessoas, para a superação de conflitos e para alcançar a reconciliação social; animar o engajamento em ações concretas de amor à pessoa próxima; promover a conversão para a cultura do amor em lugar da cultura do ódio e fortalecer e celebrar a convivência ecumênica e inter-religiosa.

     A ideia é, juntos, resgatar o diálogo ecumênico a partir de questões sociais, sobretudo, a defesa dos direitos humanos em nosso Estado e fazer o ecumenismo sair do papel, criando momentos celebrativos de partilha da vida; campanhas e ações concretas de defesa e de direitos onde a vida estiver sendo ameaçada, e, encontros de reflexão e aprendizado prático para cuidar do meio ambiente, especificamente a preservação da água e agroecologia.     

     Como ações concretas foram sugeridas a promoção de uma caminhada conjunta nos municípios pela cultura da Paz, a valorização da educação ambiental, com plantio de árvores e a solidariedade com as pessoas mais vulneráveis, a realização de seminários regionais para mapear as circunstâncias onde a dignidade humana está ameaçada; a identificação de conflitos sociais existentes e apontar ou sugerir aos órgãos competentes soluções a partir da defesa dos direitos, além de possibilitar testemunho de fé nos momentos ecumênicos de culto.

     O engajamento nos conselhos municipais e movimentos sociais, e, a participação em sessões plenárias foi apontado como fundamental, ao lado da ação conjunta em campanhas e movimentos em defesa da vida e dos pobres.


Diocede Ponta Grossa
O coordenador do seminário foi padre Edivaldo Donato Bernardo, da diocese de Foz do Iguaçu   |   Regional Sul 2

Diocede Ponta Grossa
104 pessoas se inscreveram no seminário, que foi100% online, organizado pela Comissão Estadual de Animação da CFE2021   |   Regional Sul 2


Navegue até a sua Paróquia