DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA


SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 19/05/2021

Diocese tem Missal datado de 1886

Livro está na biblioteca do Ifiteme

 
| Crédito: Divulgação

     O Missal Romano (Missale Romanum) é o missal do rito romano da Igreja Católica. A primeira edição impressa de um livro com esse o título e que se propunha trazer os textos da Santa Missa segundo os usos da Cúria Romana é de 1474 e foi impressa em Milão. Daquela data até a publicação da primeira edição oficial do Missal Romano, pela Santa Sé, passou-se quase um século. Durante este período, surgiram pelo menos outras 14 edições do livro litúrgico – em Veneza, em Paris, e Lyon. A edição de 1474 é considerada o arquétipo de todas as publicações que mais tarde se fundiram na edição oficial aprovada pelo Papa Pio V em 1570, também conhecido como ‘Missal tridentino’ ou ‘Missal de São Pio V’.

     Missais com maior ou menor número de modificações foram publicados sucessivamente pelos Papas Clemente VIII em 1604, Urbano VIII em 1634, Leão XIII em 1884, Bento XV em 1920. Pio XII reformou profundamente a liturgia da Semana Santa e da Vigília Pascal. O Papa João XXIII, em 1962, publicou uma edição revisada por decreto do Concílio de Trento. Em abril de 1969, o Papa Paulo VI, assistido por uma comissão de cardeais, bispos e peritos criou uma nova edição do Missal Romano, promulgada com a Constituição Apostólica Missale Romanum e que entrou em vigor em 30 de novembro daquele ano.

     Antes da grande reforma litúrgica realizada por Paulo VI, o Missal Romano previa a celebração da chamada Missa tridentina, que era a forma anterior do rito romano e cujo uso foi amplamente restaurado pelo Papa Bento XVI. "Os Papas, até Paulo VI, não modificaram o Rito Romano, mesmo introduzindo-se modos próprios para novas festas, o que não destrói a chamada Missa Tridentina ou Missa de São Pio V. Uma Missa Tridentina na verdade nunca existiu, já que, seguindo as instâncias do Concílio de Trento, não foi formado um Novus Ordo Missae, dado que a Missa de Pio V não é mais que o Missal da Cúria Romana, que foi se formando em Roma muitos séculos antes, e difundido especialmente pelos franciscanos em numerosas regiões do Ocidente”, afirma padre Gerson Schmidt, assessor especial do Programa Brasileiro da Rádio Vaticano.

     Na biblioteca do Instituto de Filosofia e Teologia Mater Ecclesiae encontra-se preservado o Missal Romano mais antigo da Diocese de Ponta Grossa. Datado de 1886, em algarismos romanos, o livro, todo em latim, possui presilhas laterais de ferro, iluminura e partituras de cânticos (FOTO). Um segundo Missal, datado de 24 de abril de 1906, com as mesmas características, também está sob a guarda do Instituto. A biblioteca do instituto ainda abriga as Cartas pastorais de Dom Antônio Mazzarotto, bíblias católicas e de confissão protestante, obras como Os Lusíadas, Divina Comédia (em italiano). 


FONTE

- Vatican News

- Instituto de Filosofia e Teologia Mater Ecclesiae


  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Curso de líderes forma primeira turma   |   O amor à Eucaristia expresso pela Diocese   |   Corpus Christi emociona e motiva   |   A fé testemunhada pelas ruas   |  





Publicado em: 19/05/2021

Diocese tem Missal datado de 1886

Livro está na biblioteca do Ifiteme

 

     O Missal Romano (Missale Romanum) é o missal do rito romano da Igreja Católica. A primeira edição impressa de um livro com esse o título e que se propunha trazer os textos da Santa Missa segundo os usos da Cúria Romana é de 1474 e foi impressa em Milão. Daquela data até a publicação da primeira edição oficial do Missal Romano, pela Santa Sé, passou-se quase um século. Durante este período, surgiram pelo menos outras 14 edições do livro litúrgico – em Veneza, em Paris, e Lyon. A edição de 1474 é considerada o arquétipo de todas as publicações que mais tarde se fundiram na edição oficial aprovada pelo Papa Pio V em 1570, também conhecido como ‘Missal tridentino’ ou ‘Missal de São Pio V’.

     Missais com maior ou menor número de modificações foram publicados sucessivamente pelos Papas Clemente VIII em 1604, Urbano VIII em 1634, Leão XIII em 1884, Bento XV em 1920. Pio XII reformou profundamente a liturgia da Semana Santa e da Vigília Pascal. O Papa João XXIII, em 1962, publicou uma edição revisada por decreto do Concílio de Trento. Em abril de 1969, o Papa Paulo VI, assistido por uma comissão de cardeais, bispos e peritos criou uma nova edição do Missal Romano, promulgada com a Constituição Apostólica Missale Romanum e que entrou em vigor em 30 de novembro daquele ano.

     Antes da grande reforma litúrgica realizada por Paulo VI, o Missal Romano previa a celebração da chamada Missa tridentina, que era a forma anterior do rito romano e cujo uso foi amplamente restaurado pelo Papa Bento XVI. "Os Papas, até Paulo VI, não modificaram o Rito Romano, mesmo introduzindo-se modos próprios para novas festas, o que não destrói a chamada Missa Tridentina ou Missa de São Pio V. Uma Missa Tridentina na verdade nunca existiu, já que, seguindo as instâncias do Concílio de Trento, não foi formado um Novus Ordo Missae, dado que a Missa de Pio V não é mais que o Missal da Cúria Romana, que foi se formando em Roma muitos séculos antes, e difundido especialmente pelos franciscanos em numerosas regiões do Ocidente”, afirma padre Gerson Schmidt, assessor especial do Programa Brasileiro da Rádio Vaticano.

     Na biblioteca do Instituto de Filosofia e Teologia Mater Ecclesiae encontra-se preservado o Missal Romano mais antigo da Diocese de Ponta Grossa. Datado de 1886, em algarismos romanos, o livro, todo em latim, possui presilhas laterais de ferro, iluminura e partituras de cânticos (FOTO). Um segundo Missal, datado de 24 de abril de 1906, com as mesmas características, também está sob a guarda do Instituto. A biblioteca do instituto ainda abriga as Cartas pastorais de Dom Antônio Mazzarotto, bíblias católicas e de confissão protestante, obras como Os Lusíadas, Divina Comédia (em italiano). 


FONTE

- Vatican News

- Instituto de Filosofia e Teologia Mater Ecclesiae


Diocede Ponta Grossa
  |   Divulgação


Navegue até a sua Paróquia