DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 14/07/2021

O sino que rachou de tanto tocar

Na Matriz de Castro, badalar anunciou o fim da Guerra

 
| Crédito: Divulgação

     Pelo mundo, em muitas cidades, grandes ou pequenas, antigas ou novas, os sinos ressoam de hora em hora nos campanários das igrejas ou das catedrais. Eles existem desde o século V e foram muito usados na Idade Média, particularmente nas comunidades monásticas para chamar os monges, que, durante o dia, se espalhavam por diversos locais dos mosteiros no cuidado de suas atividades. Tempos depois, foi ficando comum ouvi-los também nas igrejas paroquiais, convidando o povo de Deus para a celebração da Eucaristia e para outros atos de piedade. O Ritual Romano apresenta uma benção solene aos sinos das igrejas e explica o simbolismo e o poder espiritual que eles passam a ter quando abençoados. 

     E o badalar dos sinos acabou ganhando uma simbologia a mais, na atualidade. Chamar a atenção para momentos alegres, tristes e de conscientização. Assim foi, este ano, quando no Domingo da Misericórdia, em 11 de abril, às 15 horas, os sinos das igrejas brasileiras repicaram na manifestação de sinais de esperança, fé e solidariedade diante das mortes pela Covid-19.  Ou em outubro de 2019, quando soaram na abertura da Semana Nacional da Vida. Ou ainda em março de 2014, em que os sinos tocaram no dia da canonização do Beato Anchieta. 

     Fatos históricos também são marcados assim. Em uma igreja da Diocese, a sua mais antiga paróquia, o sino repicou para comemorar o fim da Segunda Guerra Mundial. E badalou tanto que chegou a partir. A Igreja Matriz de Sant’Ana, padroeira de Castro, foi fundada em 1774 e apresenta as marcas da arquitetura do tempo do Brasil Colonial e Imperial. Ainda possui os lustres de cristal e o belo sino de bronze, doados por Dom Pedro II, em 1880. O sino tem 120 quilos e “rachou, após ter sido tocado euforicamente pela população em 8 de maio de 1945, dia da vitória dos aliados” 1 

    . Hoje com mais de 90 anos, Valmor Vilella estava com um grupo de amigos naquele dia e comemorava no ‘Bar do Cavalin’ o fim da guerra. Estavam com ele Francisco Cavalin, Alfredo Schendroski, Emídio Santos, Vanico Quadros e mais alguns dos quais não lembra o nome. Tomaram cerveja até perto das 3 horas da manhã. Saíram e foram até a casa paroquial para pedir que o padre Nicolau Przybycien abrisse a igreja para que eles pudessem tocar o sino. O pároco disse, no entanto, que não poderia e voltou a dormir. O grupo, então, conseguiu uma alavanca, arrombou a porta da torre e subiu. “Tocamos os sinos desse horário, três da manhã, até as seis horas da manhã, quando um deles se quebrou”, relembra Vilella, o único dos amigos que está vivo e lúcido. 

     O sino fica em exposição na igreja, mas não pode ser usado porque seu som foi comprometido por causa da rachadura.


∗Fontes: 

- Édison Ávila

- História da Igreja Matriz Sant’Ana em Quadrinhos. João Maria Ferraz Diniz, Leila Maria Cardoso Villela. Castro, 2009.

- www.aleteia.org

 - www.viajeparana.com/Castro


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Feira de negócios encerra curso   |   Paróquia Cristo Rei completa 100 anos   |   Sínodo 2023: live quer preparar católicos   |   Festa de Aparecida marcada pela fé   |  





Publicado em: 14/07/2021

O sino que rachou de tanto tocar

Na Matriz de Castro, badalar anunciou o fim da Guerra

 

     Pelo mundo, em muitas cidades, grandes ou pequenas, antigas ou novas, os sinos ressoam de hora em hora nos campanários das igrejas ou das catedrais. Eles existem desde o século V e foram muito usados na Idade Média, particularmente nas comunidades monásticas para chamar os monges, que, durante o dia, se espalhavam por diversos locais dos mosteiros no cuidado de suas atividades. Tempos depois, foi ficando comum ouvi-los também nas igrejas paroquiais, convidando o povo de Deus para a celebração da Eucaristia e para outros atos de piedade. O Ritual Romano apresenta uma benção solene aos sinos das igrejas e explica o simbolismo e o poder espiritual que eles passam a ter quando abençoados. 

     E o badalar dos sinos acabou ganhando uma simbologia a mais, na atualidade. Chamar a atenção para momentos alegres, tristes e de conscientização. Assim foi, este ano, quando no Domingo da Misericórdia, em 11 de abril, às 15 horas, os sinos das igrejas brasileiras repicaram na manifestação de sinais de esperança, fé e solidariedade diante das mortes pela Covid-19.  Ou em outubro de 2019, quando soaram na abertura da Semana Nacional da Vida. Ou ainda em março de 2014, em que os sinos tocaram no dia da canonização do Beato Anchieta. 

     Fatos históricos também são marcados assim. Em uma igreja da Diocese, a sua mais antiga paróquia, o sino repicou para comemorar o fim da Segunda Guerra Mundial. E badalou tanto que chegou a partir. A Igreja Matriz de Sant’Ana, padroeira de Castro, foi fundada em 1774 e apresenta as marcas da arquitetura do tempo do Brasil Colonial e Imperial. Ainda possui os lustres de cristal e o belo sino de bronze, doados por Dom Pedro II, em 1880. O sino tem 120 quilos e “rachou, após ter sido tocado euforicamente pela população em 8 de maio de 1945, dia da vitória dos aliados” 1 

    . Hoje com mais de 90 anos, Valmor Vilella estava com um grupo de amigos naquele dia e comemorava no ‘Bar do Cavalin’ o fim da guerra. Estavam com ele Francisco Cavalin, Alfredo Schendroski, Emídio Santos, Vanico Quadros e mais alguns dos quais não lembra o nome. Tomaram cerveja até perto das 3 horas da manhã. Saíram e foram até a casa paroquial para pedir que o padre Nicolau Przybycien abrisse a igreja para que eles pudessem tocar o sino. O pároco disse, no entanto, que não poderia e voltou a dormir. O grupo, então, conseguiu uma alavanca, arrombou a porta da torre e subiu. “Tocamos os sinos desse horário, três da manhã, até as seis horas da manhã, quando um deles se quebrou”, relembra Vilella, o único dos amigos que está vivo e lúcido. 

     O sino fica em exposição na igreja, mas não pode ser usado porque seu som foi comprometido por causa da rachadura.


∗Fontes: 

- Édison Ávila

- História da Igreja Matriz Sant’Ana em Quadrinhos. João Maria Ferraz Diniz, Leila Maria Cardoso Villela. Castro, 2009.

- www.aleteia.org

 - www.viajeparana.com/Castro


Diocede Ponta Grossa
  |   Divulgação

Diocede Ponta Grossa
  |   Divulgação


Navegue até a sua Paróquia