DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 11/10/2021

Diocese se prepara para o Sínodo 2023

Primeira fase, quer ouvir as forças vivas da Igreja

 
O processo começa este ano e termina em 2023 O processo começa este ano e termina em 2023 | Crédito: CNBB

    “A Palavra de Deus guia o Sínodo, para que não seja uma ‘convenção’ eclesial, um convênio de estudos ou um congresso político, mas um evento de graça, um processo de cura conduzido pelo Espírito Santo. Essas foram as palavras do Papa Francisco ao inaugurar o caminho sinodal, no domingo (10), na Basílica de São Pedro. O Pontífice presidiu à Santa Missa na Basílica Vaticana, com a participação de leigos, religiosos, sacerdotes, bispos e cardeais que participam deste processo em todas as dioceses e que culminará em Roma, daqui dois anos, com o Sínodo dos Bispos sobre a tema da sinodalidade.


     Ao escolher os verbos ‘encontrar, escutar e discernir’ em sua homilia, o Papa Francisco deu o rumo para o processo sinodal. Previsto no Decreto do Concílio Vaticano II Christus Dominus, que trata sobre o Múnus Pastoral dos Bispos, o Sínodo dos Bispos criado pelo Papa Paulo VI, tem por finalidade ouvir a contribuição da Igreja, de todas as partes do mundo, e os seus pareceres para colaborar com o Papa na sua função primacial. “A consultividade do Sínodo dos Bispos não é uma fragilidade da estrutura sinodal, mas se trata de sua beleza e de sua força. Já era praxe que o sínodo fosse preparado por uma consulta ao mundo todo e já era prática também que as conferências episcopais sintetizassem a contribuição das várias dioceses. Mas, isso não era organizado como agora está”, explica Monsenhor Antônio Luiz Catelan Ferreira, membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.


     A formação das equipes diocesanas e o processo de escuta nas igrejas locais perfazem o caminho de preparação para o sínodo de 2023. Sob o tema central ‘Por uma igreja sinodal, comunhão, participação e missão’, o processo requer o envolvimento das comunidades, paróquias, pastorais, movimentos, serviços, associações e vida consagrada presente nas dioceses. O itinerário para as celebrações nos próximos dois anos consta de três etapas. A primeira, de outubro a março, nas igrejas particulares. A segunda fase, continental, com as conferências episcopais reunidas por continente, de setembro de 2022 até março. E a terceira, igreja universal, em Roma em outubro de 2023.


     Na fase preparatória diocesana, acontece a consulta do Povo de Deus sobre o tema da assembleia do sínodo. É a fase de escuta. “A história da Igreja testemunha amplamente a importância do processo consultivo, para se conhecer o parecer dos pastores e dos fiéis, no que diz respeito ao vem da Igreja. Assim, é de grande importância que, mesmo na preparação das assembleias sinodais, receba especial atenção a consulta de todas as Igrejas Particulares. Nesta primeira fase, os bispos submetem as questões, que devem ser tratadas na assembleia sinodal, aos presbíteros, diáconos e fiéis leigos, das suas igrejas individualmente ou associados. Sobretudo pode revelar-se fundamental a contribuição dos organismos de participação da Igreja Particular, especialmente, o conselho presbiteral e o conselho pastoral, a partir dos quais verdadeiramente pode começar a tomar forma na igreja sinodal”, relata o Papa Francisco no item 7 da constituição apostólica Episcopalis Communio.


     Para efetivar a consulta, cada bispo nomeará uma equipe diocesana que possa atuar como ponto de referência e de ligação com a conferência episcopal e que acompanhe a consulta na Igreja Particular em todas as suas fases. As equipes têm a missão de animar o processo de consulta em suas realidades, promover o envolvimento de todas as forças vivas da diocese, promover experiências formativas sobre o tema do sínodo, e, organizar as atividades de abertura e a reunião pré-sinodal. 


     A abertura da fase diocesana do sínodo ocorre dia 17 deste mês. Padre Alvaro Martins Nortok, assessor da Comissão Diocesana de Liturgia e Canto Pastoral, integra a equipe local ao lado dos padres Joel Nalepa, coordenador da Ação Evangelizadora; Kleber Pacheco, coordenador da Pastoral Vocacional e assessor do Setor Juventude; Evandro Luis  Braun, e de Flávia Carla Nascimento, coordenadora diocesana da Pastoral de Animação Bíblico Catequética. O grupo, nomeado pelo bispo Dom Sergio Arthur Braschi, já está trabalhando.


     De acordo com padre Alvaro, a abertura será oficializada com a leitura de um comentário e duas preces pelo sínodo. “Vamos trabalhar nas paróquias, nos conselhos, um documento preparatório, acompanhado de um questionário, que nos ajudarão a ouvir o que as pessoas estão achando da Igreja. A partir desse ouvir, nós faremos uma síntese”, explica o sacerdote, lembrando que resumo dos textos, as preces e o comentário já foram encaminhados ao clero.


     Os documentos que estão sendo estudados no mundo inteiro serão disponibilizados no site oficial da Diocese de Ponta Grossa para que as lideranças católicas possam acessar e pesquisar. No próximo dia 14, às 19h30, acontece a primeira live formativa para o sínodo, com participação da equipe nacional.  


 


 


 


  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Paróquia festeja centenário com dedicação da igreja   |   Liga Católica retoma atividades   |   Feira de roupas vai ajudar a Caritas   |   As muitas histórias dentro de 100 anos   |  





Publicado em: 11/10/2021

Diocese se prepara para o Sínodo 2023

Primeira fase, quer ouvir as forças vivas da Igreja

 

    “A Palavra de Deus guia o Sínodo, para que não seja uma ‘convenção’ eclesial, um convênio de estudos ou um congresso político, mas um evento de graça, um processo de cura conduzido pelo Espírito Santo. Essas foram as palavras do Papa Francisco ao inaugurar o caminho sinodal, no domingo (10), na Basílica de São Pedro. O Pontífice presidiu à Santa Missa na Basílica Vaticana, com a participação de leigos, religiosos, sacerdotes, bispos e cardeais que participam deste processo em todas as dioceses e que culminará em Roma, daqui dois anos, com o Sínodo dos Bispos sobre a tema da sinodalidade.


     Ao escolher os verbos ‘encontrar, escutar e discernir’ em sua homilia, o Papa Francisco deu o rumo para o processo sinodal. Previsto no Decreto do Concílio Vaticano II Christus Dominus, que trata sobre o Múnus Pastoral dos Bispos, o Sínodo dos Bispos criado pelo Papa Paulo VI, tem por finalidade ouvir a contribuição da Igreja, de todas as partes do mundo, e os seus pareceres para colaborar com o Papa na sua função primacial. “A consultividade do Sínodo dos Bispos não é uma fragilidade da estrutura sinodal, mas se trata de sua beleza e de sua força. Já era praxe que o sínodo fosse preparado por uma consulta ao mundo todo e já era prática também que as conferências episcopais sintetizassem a contribuição das várias dioceses. Mas, isso não era organizado como agora está”, explica Monsenhor Antônio Luiz Catelan Ferreira, membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.


     A formação das equipes diocesanas e o processo de escuta nas igrejas locais perfazem o caminho de preparação para o sínodo de 2023. Sob o tema central ‘Por uma igreja sinodal, comunhão, participação e missão’, o processo requer o envolvimento das comunidades, paróquias, pastorais, movimentos, serviços, associações e vida consagrada presente nas dioceses. O itinerário para as celebrações nos próximos dois anos consta de três etapas. A primeira, de outubro a março, nas igrejas particulares. A segunda fase, continental, com as conferências episcopais reunidas por continente, de setembro de 2022 até março. E a terceira, igreja universal, em Roma em outubro de 2023.


     Na fase preparatória diocesana, acontece a consulta do Povo de Deus sobre o tema da assembleia do sínodo. É a fase de escuta. “A história da Igreja testemunha amplamente a importância do processo consultivo, para se conhecer o parecer dos pastores e dos fiéis, no que diz respeito ao vem da Igreja. Assim, é de grande importância que, mesmo na preparação das assembleias sinodais, receba especial atenção a consulta de todas as Igrejas Particulares. Nesta primeira fase, os bispos submetem as questões, que devem ser tratadas na assembleia sinodal, aos presbíteros, diáconos e fiéis leigos, das suas igrejas individualmente ou associados. Sobretudo pode revelar-se fundamental a contribuição dos organismos de participação da Igreja Particular, especialmente, o conselho presbiteral e o conselho pastoral, a partir dos quais verdadeiramente pode começar a tomar forma na igreja sinodal”, relata o Papa Francisco no item 7 da constituição apostólica Episcopalis Communio.


     Para efetivar a consulta, cada bispo nomeará uma equipe diocesana que possa atuar como ponto de referência e de ligação com a conferência episcopal e que acompanhe a consulta na Igreja Particular em todas as suas fases. As equipes têm a missão de animar o processo de consulta em suas realidades, promover o envolvimento de todas as forças vivas da diocese, promover experiências formativas sobre o tema do sínodo, e, organizar as atividades de abertura e a reunião pré-sinodal. 


     A abertura da fase diocesana do sínodo ocorre dia 17 deste mês. Padre Alvaro Martins Nortok, assessor da Comissão Diocesana de Liturgia e Canto Pastoral, integra a equipe local ao lado dos padres Joel Nalepa, coordenador da Ação Evangelizadora; Kleber Pacheco, coordenador da Pastoral Vocacional e assessor do Setor Juventude; Evandro Luis  Braun, e de Flávia Carla Nascimento, coordenadora diocesana da Pastoral de Animação Bíblico Catequética. O grupo, nomeado pelo bispo Dom Sergio Arthur Braschi, já está trabalhando.


     De acordo com padre Alvaro, a abertura será oficializada com a leitura de um comentário e duas preces pelo sínodo. “Vamos trabalhar nas paróquias, nos conselhos, um documento preparatório, acompanhado de um questionário, que nos ajudarão a ouvir o que as pessoas estão achando da Igreja. A partir desse ouvir, nós faremos uma síntese”, explica o sacerdote, lembrando que resumo dos textos, as preces e o comentário já foram encaminhados ao clero.


     Os documentos que estão sendo estudados no mundo inteiro serão disponibilizados no site oficial da Diocese de Ponta Grossa para que as lideranças católicas possam acessar e pesquisar. No próximo dia 14, às 19h30, acontece a primeira live formativa para o sínodo, com participação da equipe nacional.  


 


 


 


Diocede Ponta Grossa
O processo começa este ano e termina em 2023   |   CNBB


Navegue até a sua Paróquia