DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 31/12/2021

Padre, a missão de ser pastor

Os sacerdotes são homens que acolheram o chamado de Deus

 
São 52 ospadres diocesanos atualmente São 52 ospadres diocesanos atualmente | Crédito: Arquivo AssCom Diocese de Ponta Grossa

 


  “Pastores do santo povo fiel de Deus. Pastores que vão com o povo de Deus: às vezes na frente, no meio, atrás do rebanho, mas sempre ali, com o povo de Deus...Estejam próximos do santo povo fiel de Deus, mas antes de tudo perto de Deus, com a oração. Um sacerdote que não reza lentamente apaga o fogo do Espírito em seu interior”. As palavras do Papa Francisco, em abril deste ano, enaltecem a missão do sacerdote e apontam caminhos. “Os padres acolheram o chamado de Deus para serem e viverem deste modo com suas virtudes, qualidades, limitações e fraquezas. Para fazer a escolha abriram mão de outras opções para seguirem com liberdade os passos do mestre Jesus Cristo...O padre é um homem ligado ao sagrado. Munido pelo poder recebido no sacramento da Ordem, ele torna-se ministro e servidor das coisas que se referem a Deus para o bem das pessoas”1


     Existem dois tipos de sacerdotes: os padres diocesanos e os religiosos-padres. O Diretório para o Ministério e a Vida do Presbítero, uma publicação da Congregação para o Clero, ao falar das diferenças entre o diocesano e o religioso-padre, lembra o que têm em comum: são padres. Receberam o mesmo sacramento. Aponta ainda três principais elementos que devem ser vividos por esses padres. Eles precisam ter a comunhão com Cristo na oração. É necessário que se alimentem espiritualmente, que tenham um programa de vida na oração. Depois, dar testemunho. Toda a atividade ministerial deve manifestar um testemunho de vida que se dá pela caridade, oração, atitudes, comportamento, doação...E o padre deve ser pastor da comunidade. Está no meio do povo e vive para o povo. É aquele que reza pela comunidade, trabalha pela comunidade, se sacrifica pela comunidade e santifica acima de tudo o povo de Deus. Deve estar disposto a dar a vida, amando como Cristo e dirigindo o rebanho a ele confiado com muito amor. 


     O padre diocesano está incardinado em uma Igreja Particular, a Diocese.  Essa Diocese tem território específico e definido. Esse padre está sob a orientação diretamente do bispo diocesano. Tem a missão de trabalhar em comunhão com todo o presbitério da Diocese. O religioso que é padre assume a sua vocação à vida religiosa consagrada. Faz os votos evangélicos de pobreza, obediência e castidade. Mas sua obediência está diretamente ligada ao superior da Ordem Religiosa a que pertence. E pode viver sua vocação em outras dioceses e em outros lugares do mundo, onde a Congregação está presente. Atualmente, a Diocese de Ponta Grossa conta com aproximadamente 45 congregações (comunidades ou obras religiosas). Padres diocesanos hoje são 52. A maioria deles, ordenados nos anos 2000. Foram 37 ordenações sacerdotais de 2000 até 2021, contra sete em toda a década de 90.  


     Cada Diocese oferece a seus padres uma instância para que se sintam apoiados e valorizados na sua missão. “A Pastoral Presbiteral é uma presença fraterna que proporciona um acompanhamento para com os padres. Presença que se dá de maneira pessoal, mas também comunitária”, explica o coordenador da Pastoral, padre Martinho Hartmann, A Pastoral trabalha em conjunto com o bispo para oferecer aos padres as condições necessárias para que possa realizar a sua vocação, zelando por sua saúde física, psíquica, afetiva e espiritual, além de proporcionar meios, caminhos necessários para que o padre tenha sempre uma formação permanente. “Deve acompanhar sempre a vida dos padres e isso em qualquer período ou situação. Abrange tanto os presbíteros diocesanos, como os presbíteros religiosos que estão atuando na Diocese e que formam um único presbitério. A Pastoral tem a missão de aprofundar o sentido de pertença ao presbitério. Tudo para que vivam o seu ministério de maneira tão sublime e consigam, a cada dia, configurar-se ao Cristo Bom Pastor”, acrescenta padre Martinho.


 


FONTE


1 Dom Rodolfo Luís Weber, arcebispo de Passo Fundo (RS)


- Pastoral Presbiteral


 


  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Paróquia da Saúde faz festa e quermesse   |   Encontro partilha experiências de santuários   |   Formação trabalha a Inteligência Espiritual   |   ‘Nossa Senhora dos Remédios’ faz 176 anos   |  





Publicado em: 31/12/2021

Padre, a missão de ser pastor

Os sacerdotes são homens que acolheram o chamado de Deus

 

 


  “Pastores do santo povo fiel de Deus. Pastores que vão com o povo de Deus: às vezes na frente, no meio, atrás do rebanho, mas sempre ali, com o povo de Deus...Estejam próximos do santo povo fiel de Deus, mas antes de tudo perto de Deus, com a oração. Um sacerdote que não reza lentamente apaga o fogo do Espírito em seu interior”. As palavras do Papa Francisco, em abril deste ano, enaltecem a missão do sacerdote e apontam caminhos. “Os padres acolheram o chamado de Deus para serem e viverem deste modo com suas virtudes, qualidades, limitações e fraquezas. Para fazer a escolha abriram mão de outras opções para seguirem com liberdade os passos do mestre Jesus Cristo...O padre é um homem ligado ao sagrado. Munido pelo poder recebido no sacramento da Ordem, ele torna-se ministro e servidor das coisas que se referem a Deus para o bem das pessoas”1


     Existem dois tipos de sacerdotes: os padres diocesanos e os religiosos-padres. O Diretório para o Ministério e a Vida do Presbítero, uma publicação da Congregação para o Clero, ao falar das diferenças entre o diocesano e o religioso-padre, lembra o que têm em comum: são padres. Receberam o mesmo sacramento. Aponta ainda três principais elementos que devem ser vividos por esses padres. Eles precisam ter a comunhão com Cristo na oração. É necessário que se alimentem espiritualmente, que tenham um programa de vida na oração. Depois, dar testemunho. Toda a atividade ministerial deve manifestar um testemunho de vida que se dá pela caridade, oração, atitudes, comportamento, doação...E o padre deve ser pastor da comunidade. Está no meio do povo e vive para o povo. É aquele que reza pela comunidade, trabalha pela comunidade, se sacrifica pela comunidade e santifica acima de tudo o povo de Deus. Deve estar disposto a dar a vida, amando como Cristo e dirigindo o rebanho a ele confiado com muito amor. 


     O padre diocesano está incardinado em uma Igreja Particular, a Diocese.  Essa Diocese tem território específico e definido. Esse padre está sob a orientação diretamente do bispo diocesano. Tem a missão de trabalhar em comunhão com todo o presbitério da Diocese. O religioso que é padre assume a sua vocação à vida religiosa consagrada. Faz os votos evangélicos de pobreza, obediência e castidade. Mas sua obediência está diretamente ligada ao superior da Ordem Religiosa a que pertence. E pode viver sua vocação em outras dioceses e em outros lugares do mundo, onde a Congregação está presente. Atualmente, a Diocese de Ponta Grossa conta com aproximadamente 45 congregações (comunidades ou obras religiosas). Padres diocesanos hoje são 52. A maioria deles, ordenados nos anos 2000. Foram 37 ordenações sacerdotais de 2000 até 2021, contra sete em toda a década de 90.  


     Cada Diocese oferece a seus padres uma instância para que se sintam apoiados e valorizados na sua missão. “A Pastoral Presbiteral é uma presença fraterna que proporciona um acompanhamento para com os padres. Presença que se dá de maneira pessoal, mas também comunitária”, explica o coordenador da Pastoral, padre Martinho Hartmann, A Pastoral trabalha em conjunto com o bispo para oferecer aos padres as condições necessárias para que possa realizar a sua vocação, zelando por sua saúde física, psíquica, afetiva e espiritual, além de proporcionar meios, caminhos necessários para que o padre tenha sempre uma formação permanente. “Deve acompanhar sempre a vida dos padres e isso em qualquer período ou situação. Abrange tanto os presbíteros diocesanos, como os presbíteros religiosos que estão atuando na Diocese e que formam um único presbitério. A Pastoral tem a missão de aprofundar o sentido de pertença ao presbitério. Tudo para que vivam o seu ministério de maneira tão sublime e consigam, a cada dia, configurar-se ao Cristo Bom Pastor”, acrescenta padre Martinho.


 


FONTE


1 Dom Rodolfo Luís Weber, arcebispo de Passo Fundo (RS)


- Pastoral Presbiteral


 


Diocede Ponta Grossa
São 52 ospadres diocesanos atualmente   |   Arquivo AssCom Diocese de Ponta Grossa


Navegue até a sua Paróquia