DIOCESE  DE  PONTA  GROSSA



SOBRE
   História
   Fundação
   Bula Pontifícia


ESTRUTURA
   Colégio Consultores
   Conselho Presbiteral
   Seminários Diocesanos
   Casas para Encontros


Publicado em: 11/03/2022

Terra Nova terá memorial à Santa Terezinha

Bênção às casas e missa festiva marcará a inauguração

 
O memorial ficará no espaço verde da capela O memorial ficará no espaço verde da capela | Crédito: Alexandre Hubert

A Capela Santa Terezinha, na colônia alemã Terra Nova, em Castro, completa em 2022 seus 85 anos. Para comemorar a data, um memorial à padroeira foi erigido em frente à igreja. Com uma imagem da santa de dois metros de altura, encomendada ao escultor pernambucano Diego Andrade, o memorial será entregue no domingo (13), com uma missa festiva às 10 horas, celebrada pelo padre Cristiano Marcos Rodrigues, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a quem a capela pertence. Na celebração, ocorrerá o rito da bênção do memorial.


     A festa de entrega do memorial começa já na manhã deste sábado, com a visita e bênção às cerca de 60 residências da comunidade pelo padre Cristiano, que levará consigo a relíquia de Santa Terezinha. “Será um dia muito especial aqui na colônia”, ressalta Alexandre Hubert, morador da Colônia Terra Nova, responsável pelo Ministério de Música e do Coral Infantil da capela, e, responsável pela vinda da relíquia à colônia. Hubert residia na Alemanha, nos anos 2000, quando, depois de um arrombamento à igreja, a relíquia – um pedaço de osso obtido pelos fundadores da capela, logo nos primeiros anos após sua fundação, em 1937 – foi furtada. Alexandre Hubert escreveu para o Carmelo de Liseux, na França, onde a santa viveu, e relatou o ocorrido. As carmelitas lhe responderam, pedindo que estivesse na França em 15 de agosto de 2009 para receber a nova relíquia. No Natal daquele ano, Hubert a trouxe e entregou à comunidade. 


     O memorial terá a imagem de Santa Terezinha, em um espaço com muito verde e floreiras com muitas rosas em seu entorno. As rosas são o símbolo da intercessão da santa por todos aqueles que a pedem em oração. Sob o lugar onde será fixada a imagem será colocada uma caixa com dezenas de cartas com relato de milagres, testemunhos, orações, pedidos e lembranças. Algo semelhante foi feito quando da construção da igreja, nos anos 30, quando os primeiros colonos fizeram um cofre na parede e ali depositaram coisas da época. Quando a capela completou 50 anos, foi aberto o cofre.


     O espaço foi construído graças a uma campanha de arrecadação de fundos, iniciada no final de 2020, à base de doações espontâneas e com o leilão de bolos temáticos, sempre no dia 1º de cada mês. A escolha do dia remete a 1º de outubro, dia de Santa Terezinha. Os 20 bolos votivos da santa, confeitados por Alexandre Hubert desde o final de 2020 até este ano, chegaram a ser arrematados por R$ 800, R$ 900 e até R$ 1.500. No domingo, além da celebração festiva, haverá almoço com churrasco, bingo e a venda de bolos e tortas típicas. 


    “Assim como em tantas outras comunidades, ali existem pessoas de muita fé, demonstrando o amor a Santa Terezinha. Foi implantada a missa votiva a santa em todo o dia 1º. No dia 1º de outubro, acontece a festa de Santa Terezinha, com tríduo e a celebração das rosas. São momentos muito especiais. Vendo tudo isso, incentivei uma ideia que já existia. Fomos conversando com o Alexandre (Hubert) e, graças a ele, com muita criatividade, foi-se angariando os fundos necessários, com a ajuda de tantas pessoas e também de toda a comunidade. O memorial é uma demonstração de fé que marca a vida da comunidade”, enfatiza padre Cristiano, lembrando que, das 16 comunidades da paróquia, em 15 houve melhorias durante a pandemia. “Seja pintura, reforma no presbitério, aquisição de material litúrgico, todas fizeram algo nesse tempo. O que eu busquei na Terra Nova foi incentivar a devoção de Santa Terezinha e a ideia do memorial casou bem com isso”, acrescenta.  


 


  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa
  • Diocede Ponta Grossa


Você pode se interessar também:
| Jovem da Diocese de Ponta Grossa vai representar o Paraná em missão nacional   |   hightech   |   tesdtetetetete   |   Tibagi tem relíquias de nova santa católica   |  





Publicado em: 11/03/2022

Terra Nova terá memorial à Santa Terezinha

Bênção às casas e missa festiva marcará a inauguração

 

A Capela Santa Terezinha, na colônia alemã Terra Nova, em Castro, completa em 2022 seus 85 anos. Para comemorar a data, um memorial à padroeira foi erigido em frente à igreja. Com uma imagem da santa de dois metros de altura, encomendada ao escultor pernambucano Diego Andrade, o memorial será entregue no domingo (13), com uma missa festiva às 10 horas, celebrada pelo padre Cristiano Marcos Rodrigues, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a quem a capela pertence. Na celebração, ocorrerá o rito da bênção do memorial.


     A festa de entrega do memorial começa já na manhã deste sábado, com a visita e bênção às cerca de 60 residências da comunidade pelo padre Cristiano, que levará consigo a relíquia de Santa Terezinha. “Será um dia muito especial aqui na colônia”, ressalta Alexandre Hubert, morador da Colônia Terra Nova, responsável pelo Ministério de Música e do Coral Infantil da capela, e, responsável pela vinda da relíquia à colônia. Hubert residia na Alemanha, nos anos 2000, quando, depois de um arrombamento à igreja, a relíquia – um pedaço de osso obtido pelos fundadores da capela, logo nos primeiros anos após sua fundação, em 1937 – foi furtada. Alexandre Hubert escreveu para o Carmelo de Liseux, na França, onde a santa viveu, e relatou o ocorrido. As carmelitas lhe responderam, pedindo que estivesse na França em 15 de agosto de 2009 para receber a nova relíquia. No Natal daquele ano, Hubert a trouxe e entregou à comunidade. 


     O memorial terá a imagem de Santa Terezinha, em um espaço com muito verde e floreiras com muitas rosas em seu entorno. As rosas são o símbolo da intercessão da santa por todos aqueles que a pedem em oração. Sob o lugar onde será fixada a imagem será colocada uma caixa com dezenas de cartas com relato de milagres, testemunhos, orações, pedidos e lembranças. Algo semelhante foi feito quando da construção da igreja, nos anos 30, quando os primeiros colonos fizeram um cofre na parede e ali depositaram coisas da época. Quando a capela completou 50 anos, foi aberto o cofre.


     O espaço foi construído graças a uma campanha de arrecadação de fundos, iniciada no final de 2020, à base de doações espontâneas e com o leilão de bolos temáticos, sempre no dia 1º de cada mês. A escolha do dia remete a 1º de outubro, dia de Santa Terezinha. Os 20 bolos votivos da santa, confeitados por Alexandre Hubert desde o final de 2020 até este ano, chegaram a ser arrematados por R$ 800, R$ 900 e até R$ 1.500. No domingo, além da celebração festiva, haverá almoço com churrasco, bingo e a venda de bolos e tortas típicas. 


    “Assim como em tantas outras comunidades, ali existem pessoas de muita fé, demonstrando o amor a Santa Terezinha. Foi implantada a missa votiva a santa em todo o dia 1º. No dia 1º de outubro, acontece a festa de Santa Terezinha, com tríduo e a celebração das rosas. São momentos muito especiais. Vendo tudo isso, incentivei uma ideia que já existia. Fomos conversando com o Alexandre (Hubert) e, graças a ele, com muita criatividade, foi-se angariando os fundos necessários, com a ajuda de tantas pessoas e também de toda a comunidade. O memorial é uma demonstração de fé que marca a vida da comunidade”, enfatiza padre Cristiano, lembrando que, das 16 comunidades da paróquia, em 15 houve melhorias durante a pandemia. “Seja pintura, reforma no presbitério, aquisição de material litúrgico, todas fizeram algo nesse tempo. O que eu busquei na Terra Nova foi incentivar a devoção de Santa Terezinha e a ideia do memorial casou bem com isso”, acrescenta.  


 


Diocede Ponta Grossa
O memorial ficará no espaço verde da capela   |   Alexandre Hubert

Diocede Ponta Grossa
A imagem feita pelo escultor pernambucano já está na comunidade   |   Alexandre Hubert

Diocede Ponta Grossa
Bolos eram verdadeiras obras de arte   |   Alexandre Hubert

Diocede Ponta Grossa
Na cobertura, as famosas rosas da santa   |   Alexandre Hubert

Diocede Ponta Grossa
“Busquei incentivar a devoção”   |   Alexandre Hubert


Navegue até a sua Paróquia